ATENÇÃO, CONCURSEIROS!

Aprovados no CNU passarão por curso de formação na Enap

Com exceção de cinco carreiras, todos os servidores que ingressarem na administração pública federal pelo "Enem dos concursos" precisarão realizar cursos de formação à distância

Henrique Fregonasse
postado em 09/07/2024 19:04 / atualizado em 09/07/2024 19:05
Segundo a ministra da Gestão e da Inovação, Esther Dweck, a formação dos aprovados vai ocorrer em todos os níveis:
Segundo a ministra da Gestão e da Inovação, Esther Dweck, a formação dos aprovados vai ocorrer em todos os níveis: "A escola está preparando os cursos para os novos servidores, então, teremos cursos para todo mundo que vai entrar, essa é uma novidade" - (crédito: José Cruz/Agência Brasil)

O Ministério da Gestão e da Informação em Serviços Públicos (MGI) divulgou que todos os servidores que ingressarem na administração pública federal pelo Concurso Público Nacional Unificado (CNU) precisarão fazer cursos de formação, seja presencial ou à distância. Ainda segundo o MGI, somente cinco carreiras exigirão formação presencial na Escola Nacional de Administração Pública (Enap), vinculada ao ministério.

Os servidores aprovados para as carreiras de especialista em políticas públicas e gestão governamental; analista de infraestrutura; analista de tecnologia da informação; analista de comércio exterior; e técnico em políticas sociais necessitarão da formação presencial, cujas cargas horárias variam entre 360 e 580 horas, conforme a carreira.

O curso valerá como a terceira etapa do concurso, após as provas escritas — agendadas para 18 de agosto — e a apresentação de títulos como diplomas de conclusão do ensino superior, mestrado ou doutorado (stricto sensu) e certificados, conforme o edital do CNU.

Segundo a Enap, o diferencial para os servidores ingressantes do CNU aprovados nessas cinco carreiras será a obtenção da certificação de pós-graduação emitida pela instituição após a conclusão dos cursos presenciais.

“O concurso exige, no mínimo, curso superior. Muitos entram até mesmo com mestrado e doutorado em diversas áreas. Ao final de todas as etapas do concurso, os servidores aprovados, não só terão a vaga na carreira de sua opção, mas também um certificado de especialização na área que irão atuar”, afirmou a diretora de Educação Executiva da Enap, Iara Alves.

Segundo a ministra da Gestão e da Inovação, Esther Dweck, a formação dos aprovados vai ocorrer em todos os níveis. “A escola está preparando os cursos para os novos servidores, então teremos cursos para todo mundo que vai entrar, essa é uma novidade”, ressaltou.

Para as carreiras que necessitarão de cursos à distância — que também serão elaborados pela Enap —, a carga horária será de 280 horas. A formação deverá ser concluída por todos os candidatos convocados, durante os 36 primeiros meses de exercício do cargo.

De acordo com o cronograma do CNU, retificado em edital na semana passada, os candidatos aprovados serão convocados a tomar posse e ingressar nos cursos em janeiro de 2025.

Projeto pedagógico

De acordo com a Enap, as propostas dos projetos pedagógicos para os cursos de formação inicial estão sendo desenvolvidas em parceria com os órgãos coordenadores das carreiras federais e com participação das entidades que representam os servidores públicos.

A Enap definiu o desenvolvimento como um processo combinado, tanto de escuta — em oficinas e pesquisas de grupos focais de servidores —, como de validação de conteúdo. Ao fim do processo, as considerações recebidas serão levadas pela Enap para a versão final do conteúdo de cada curso de formação das carreiras públicas.

“O projeto é nivelar conhecimentos basilares e fornecer uma formação sólida para que o serviço público possa contar com especialistas nas áreas de conhecimento de suas carreiras. A formação sólida de servidores é sinal de valorização do serviço público”, destacou Iara Alves.

* Estagiário sob supervisão de Carlos Alexandre de Souza

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação