Diversão e Arte

Arte de luto: 20 artistas que o Brasil perdeu para a covid-19

País já soma mais de 2 milhões de infectados pela doença, entre eles, cerca de 80 mil mortos; veja alguns nomes que a cultura brasileira perdeu em decorrência da pandemia

Maíra Alves
postado em 21/07/2020 20:52
Da esquerda para a direita: compositor Aldir Bilac; cantora gospel Fabiana Anastácio; cantora Dulce Nunes; dramaturgo Antônio BivarA pandemia do novo coronavírus fez mais de 80 mil vítimas fatais no Brasil. Entre os mortos pela doença, estão grandes artistas e personalidades que ajudaram a construir parte da história do país.

Entre as perdas estão uma das primeiras drag queen;s brasileiras, a Miss Biá ; interpretada por Eduardo Albarella, o compositor Aldir Blanc, a atriz Daisy Lúcidi e o escritor Sérgio Sant;Anna.

Veja alguns desses grandes nomes que o Brasil perdeu em decorrência da covid-19:

Olímpio Pereira


Formado em letras pela Universidade Federal de Goiânia (UFGO), Olímpio era titular da Academia de Letras de Orizona e fundador e membro da Academia Taguatinguense de Letras. Além disso, é o autor de cerca de 15 obras, entre elas Orizona: cidade e campo, Um lugar no mapa e Lendas e contos do Planalto Central. Também fundou, ao lado de colegas, o Sindicato dos Escritores do DF.

José Paulo de Andrade

Jornalista José Paulo de AndradeJornalista, radialista e advogado, José Paulo de Andrade morreu no dia 17 de julho, aos 78 anos. Ele trabalhava há 57 anos na Rádio Bandeirantes.

Paulistano, ele começou a carreira em 1960 como radioescuta do plantão esportivo da Rádio América de São Paulo. Em 1963, ingressou na Rádio Bandeirantes para atuar como locutor esportivo e fez isso pelos 14 anos seguintes.

Ao longo da trajetória no Grupo Bandeirantes, ele foi âncora de telejornais como Titulares da Notícia, Jornal de São Paulo, Rede Cidade, Band Cidade e Entrevista Coletiva. Por 35 anos, José Paulo de Andrade comandou, com Salomão Ésper e Joelmir Beting, o Jornal Gente, além do jornal O Pulo do Gato.

Antônio Bivar

Escritor Antonio BivarUm dos mais importantes nomes da dramaturgia brasileira, Antônio Bivar morreu aos 81 anos, no dia 5 de julho. Além de ter escrito peças de sucesso, como Cordélia Brasil e Alzira Power, Bivar organizou, em 1982, o festival de música Começo do Fim do Mundo, marco do movimento punk no país. O evento, no SESC Pompeia, em São Paulo, contou com bandas de destaque, como Inocentes, Olho Seco, Cólera e Ratos de Porão.

Bivar escreveu mais de 10 livros ao longo da carreira, entre contos, romances, ensaios, biografias e memórias. A mais recente autobiografia, intitulada Perseverança, foi publicada em 2019. Em 2006, após anos de estudos intensivos sobre a obra da escritora Virginia Woolf, lançou a obra Bivar na Corte de Bloomsbury.

Fabiana Anastácio


Fabiana começou a cantar por influência de cantores como Shirley Carvalhaes e Ozéias de Paula. Mas só obteve notoriedade quando um vídeo seu interpretando um cover de Fiel a mim, de Eyshila, viralizou. A popularidade a fez lançar o primeiro álbum em 2012.

Ao longo de cerca de 7 anos de carreira, Fabiana Anastácio lançou alguns sucessos, como O grande eu sou, Deixa comigo, Sou eu e Adorarei.

Eduardo Albarella

Drag queen Miss BiáMorreu em São Paulo, no dia 4 de junho, aos 80 anos, Eduardo Albarella, conhecido pelo trabalho como Miss Biá, drag queen pioneira no Brasil.

Com mais de 60 anos de carreira, a drag queen Miss Biá é histórica na arte do transformismo no Brasil. Com a persona, Albarellla fazia performances em boates e festas e ainda era residente e apresentadora na casa de shows Danger em São Paulo, onde trabalhava em todas as noites de festa.

Dulce Nunes

Cantora Dulce NunesDulce Nunes, voz de Pobre menina rica e dos anos 1960, morreu no Rio Janeiro, na noite de 4 de junho, aos 90 anos.

A cantora e compositora nascida na Zona Sul carioca estreou em 1964 na gravação do musical Pobre menina rica, com canções de Carlos Lyra e Vinicius de Moraes. Dulce, até então, tinha feito pequenos papéis como atriz em cinema e arriscava performances discretas como cantora.

Dulce gravou apenas dois discos solo. Ela participou, também, de vários festivais na segunda metade da década de 1960.

Evaldo Gouveia

Músico Evaldo GouveiaO músico, compositor e cantor Evaldo Gouveia, morreu no dia 29 de maio, aos 91 anos. Ele foi autor da famosa canção Sentimental demais, regravada por vários outros artistas.

Cearense de Orós, no sul do estado nordestino, Gouveia foi alçado ao sucesso ainda na era de ouro do rádio, entre 1940 e 1950. Logo o artista se tornou uma referência da Música Popular Brasileira. Gouveia também foi um dos fundadores do Trio Nagô ; em parceria com Mário Alves e Epaminondas Souza.

Entre as composições de sucesso, Gouveia foi regravado por grandes artistas nacionais, como Nelson Gonçalves e Maysa Monjardim.

Daisy Lúcidi

Atriz Daisy LúcidiA atriz Daisy Lúcidi, de 90 anos, morreu na madrugada do dia 7 de maio, no Rio de Janeiro. Lúcidi integrou o primeiro elenco de atores da Rádio Globo e estreou na tevê em 1960. Como radialista, comandou, durante 46 anos, o programa Alô Daisy, na Rádio Nacional.

A última participação em novelas na emissora foi em Geração Brasil, em 2014. A primeira foi O homem proibido, em 1967. Também atuou em Supermanoela (1974), Bravo (1975) e O casarão (1976).

Após um período de 30 anos na política, ela voltou a atuar em 2007 em Paraíso tropical. A atriz também fez parte do elenco de Passione (2010) e, em 2013, fez uma participação em Tapas & beijos.

Ciro Pessoa

Um dos fundadores do Titãs, Ciro PessoaMembro fundador da banda de rock Titãs, Ciro Pessoa morreu na madrugada do dia 5 de maio, aos 62 anos.
Em 1983, Ciro Pessoa optou por sair dos Titãs. Rumando novos caminhos, o guitarrista teve inúmeros projetos musicais.

Passou pelo rock gótico com a banda Cabine C, até o pop-rock no último grupo Flying Chair. Compôs músicas tocadas pelo IRA, teve algumas fases de carreira solo, fez parte da criação da trilha sonora do longa Oceano Atlantis de 1993 e chegou a escrever um álbum de música conceitual infantil ao lado de Branco Mello.

Aldir Blanc

Poeta Aldir Blanc, em cena do documentário Dois pra lá, dois pra cáO compositor Aldir Blanc, de 73 anos, morreu em 4 de maio. Sozinho ou ao lado de parceiros, como João Bosco, Aldir Blanc é compositor de clássicos como Bala com bala, Mestre-sala dos mares, De frente pro crime.

A dupla João Bosco e Aldir Balc também compôs o clássico O bêbado e a equilibrista, interpretada por Elis Regina no álbum Essa mulher, lançado em junho de 1979. A canção se tornou um sucesso durante a luta pela anistia, durante o declínio da ditadura militar no Brasil, sendo chamada de Hino da Anistia, ainda que tenha sido composta antes da aprovação da Lei da Anistia, em agosto de 1979.

As façanhas de Aldir Blanc não se restringiram apenas ao mundo da música. Na literatura, o artista publicou mais de 10 livros, entre eles: Vila Isabel, inventário da infância (2017); Heranças do samba (2004); Uma caixinha de surpresas (2010); e Porta de tinturaria (2017).

Sérgio Sant;Anna

Escritor Sérgio Sant´Anna Um dos maiores escritores brasileiros, Sérgio Sant;Anna morreu no dia 10 de maio, no Rio de Janeiro, aos 78 anos.

Sérgio Sant;Anna estreou na literatura há mais de 50 anos, com O sobrevivente, livro de contos, gênero do qual ele se tornou um dos expoentes nacionais. O último livro, Anjo noturno, foi lançado em 2017. Além de contos, Sérgio escreveu romances, poesias e também era professor.

David Corrêa

Sambista David CorrêaO compositor David Corrêa morreu na tarde do dia 10 de maio, aos 82 anos, no Rio de Janeiro.

Maior vencedor de sambas-enredo da Portela, o compositor ainda foi autor de sambas em outras agremiações como Mangueira, Salgueiro, Estácio e Imperatriz, além de ser autor de músicas como Mel na boca e Meiguice descarada.

Cantores como Elza Soares, Almir Guineto, Maria Bethânia, Reinaldo e outros muitos gravaram suas canções Na Portela, David venceu as disputas de samba em sete ocasiões: 1973, 1975, 1979, 1980, 1981, 1982 e 2002. Na década de 1970, ainda ajudou a defender o samba na avenida.

Abraham Palatnik

Artista Plástico, Abraham Palatnik, no Centro Cultural Banco do BrasilO artista, nascido em Natal, no Rio Grande do Norte, morreu aos 92 anos, em 9 de maio, no Rio de Janeiro. Abraham Palatnik se tornou um dos maiores nomes na arte cinética, estética relacionada à luz e ao movimento, mesmo que essa definição fosse contestada ao longo de sua carreira.

Na juventude, estudou engenharia na Palestina, durante os anos 1930 e 1940, e, mais tarde se mudou para o Rio. Também desenvolveu trabalhos com internos do hospital psiquiátrico do Engenho de Dentro.

Em 1951, na primeira Bienal de São Paulo, ele chamou a atenção com uma tela com formas que se moviam como peixes em um aquário. Ele também integrou o Grupo Frente, com Ivan Serpa, Ferreira Gullar, Mário Pedrosa, Franz Weissmann, Lygia Clark e outros nomes dessa geração. Atualmente o artista tem obras expostas em diversas instituições internacionais, como o MoMA, em Nova York, e o Museum of Fine Arts, em Houston.

Carlos José

Cantor e compositor Carlos JoséO cantor Carlos José, de 85 anos, morreu em 9 de maio, no Rio de Janeiro. Carlos José Ramos dos Santos nasceu em São Paulo, em 22 de setembro de 1934, e foi cedo para a capital fluminense. Formado em Direito, abandonou a carreira de advogado para se dedicar à música, nos anos 1950.

Cantor romântico e seresteiro, Carlos José teve muitos sucessos. Entre eles, Esmeralda, que tocou nas rádios de todo o país. Em 2015, lançou sua última produção, Musa das canções, ao lado do irmão, o maestro Luiz Carlos Ramos. Carlos José deixa esposa, dois filhos e dois netos.

Nino Voz

Cantor Nino VozUm dos vocalistas da turnê do grupo Balão Mágico, Nino Voz, morreu no dia 24 de abril.

Em seu último post no Instagram, no dia 3 de abril, Nino ainda não havia sido diagnosticado com a doença. Na ocasião, ele afirmou sentir saudades do palco e escreveu palavras de esperança para os seguidores.

Roberto Fernandes

Jornalista Roberto FernandesO jornalista Roberto Fernandes da Silva, de 61 anos, morreu no dia 21 de abril, no Maranhão. O profissional apresentava o quadro de política do Bom Dia Mirante, da TV Mirante, que é afiliada da TV Globo no estado. Ao longo da carreira na imprensa maranhense, o jornalista se destacou no rádio e na tevê, principalmente na cobertura de fatos gerais quer na área esportiva.

Ele teve passagens pela Rádio São Luís AM, TV Brasil, Rádio Educadora AM e, há 20 anos, comandava o programa Ponto final, na Rádio Mirante AM. Fernandes também atuou como comentarista esportivo do canal SporTV em jogos do Sampaio Corrêa no Campeonato Brasileiro série B.

MC Dumel

MC DumelO cantor de funk MC Dumel morreu no dia 16 de abril. O MC tinha 28 anos e estava crescendo na carreira, com as canções Balança e Avisa lá, lançadas em 2019, o funkeiro alcançou o maior número de visualizações no YouTube até então, com 20 mil e 13 mil, respectivamente. O último lançamento dele foi a música Vai Luan, uma parceria com a MC Moana.

[SAIBAMAIS]Daniel Azulay

Estreia do programa Turma do lambe-lambe, com o desenhista Daniel AzulayO artista Daniel Azulay, morreu na tarde do dia 27 de março, no Rio de Janeiro, aos 72 anos.

Azulay era um artista plástico, educador, desenhista e autor de vários livros infantojuvenis. Nascido no Rio de Janeiro em 30 de maio de 1947, formou-se em direito mas ficou famoso por publicar histórias em quadrinho e cartoons em revistas e jornais.

A grande criação do artista foi a Turma do Lambe-Lambe, que repercutiu na linguagem de quadrinhos e ganhou formato televisivo durante 10 anos consecutivos nas redes Bandeirantes e Educativa.

Naomi Munakata


A regente nasceu em Hiroshima, no Japão, em 31 de maio de 1955, e veio para o Brasil aos 2 anos de idade, com a família. Aos 7, começou a cantar no coral dirigido pelo pai, Motoi Munakata. Formou-se em composição e regência na Faculdade de Música do Instituto Musical de São Paulo e continuou os estudos na Universidade de Tóquio.

Martinho Lutero Galati de Oliveira


O maestro, que completou 50 anos de produção musical, criou o Coro Luther King aos 16 anos. Ele também fundou o Coro Cantosospeso em Milão, na Itália.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação