Fama

Fama

df.divirtasemais.com.br cultura.df@dabr.com.br
postado em 18/10/2016 00:00
 (foto: Fox/Divulgação)
(foto: Fox/Divulgação)



Nas telinhas

Nem tão cedo a televisão vai ficar sem The walking dead (foto). A AMC renovou a série para a oitava temporada, uma semana antes da estreia da sétima. Com lançamento possivelmente para outubro de 2017, uma vez que todas as temporadas anteriores chegaram à tevê neste mês, a oitava temporada atingirá a marca de 100 episódios. A sétima estreia no próximo domingo, 23 de outubro, e vai mostrar a revelação de quem será a vítima do grande vilão Negan (Jeffrey Dean Morgan) e Lucille.



Remake
Refilmagem da premiada série dos anos 1970, Raízes estreia no Brasil, por meio do canal History. A história traz uma nova roupagem do livro Raízes: a saga de uma família americana, de Alex Haley. A narrativa acompanha a saga da família do autor, a partir de seu ancestral Kunta Kinte (Malachi Kirby), que foi capturado e vendido como escravo, até lutar e se tornar um exemplo de luta. O elenco reúne com Laurence Fishburne, Forest Whitaker, Anna Paquin, entre outros. A obra recebeu seis indicações ao Emmy 2016. Os oito episódios do novo Raízes serão exibidos em quatro noites seguidas, a partir de hoje, sempre às 22h40.




Novas produções
A Netflix começou a definir os protagonistas da série inspirada em Ela quer tudo, primeiro grande longa de Spike Lee (foto). DeWanda Wise foi escalada para viver o papel central, originalmente interpretado por Tracy Camilla Johns: Nola, uma artista tentando descobrir sua verdadeira essência, enquanto divide o tempo entre família, amigos e amores. Anthony Ramos - destaque no sucesso da Broadway Hamilton - será responsável por fazer uma versão moderna do personagem vivido por Spike Lee no longa original Spike Lee vai dirigir os 10 episódios (com 30 minutos cada) e será produtor executivo do show, ao lado da esposa Tonya Lewis Lee.



Nas telonas
Chegou ao fim o Festival do Rio 2016 e venceu o filme que propôs a defesa do amor sem regras. Fala comigo, longa de estreia do diretor Felipe Sholl, ganhou o prêmio de melhor filme da mostra competitiva, concedido pelo júri formado por Charles Tesson, Rodrigo Santoro, Sandra Kogut e Maria Augusta Ramos. O prêmio de melhor documentário ficou com o aclamado A luta do século, bastante aplaudido pelo público ao ser exibido durante o festival. Curiosamente, a preferência do público foi bem diferente do júri oficial. Os filmes Era o Hotel Cambridgee e Divinas Divas ganharam os prêmios dados pelo júri popular.



Versão internacional
As séries The mentalist (foto) e The good wife (foto) ganharão versões produzidas por emissoras russas. Sobre a versão de The mentalist, o produtor Vlad Ryashin explicou que a ideia é manter a essência da original, mas tendo em mente que o objetivo é fazer um projeto que agrade uma audiência o mais ampla possível. The good wife, segundo destaca o responsável pela Lean-M, Timur Weinstein, é uma série bastante popular na Rússia; e a nova versão abre uma oportunidade para trazer novos formatos às produções locais.


Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação