enigmas da América

enigmas da América

Catorze dos 32 times do torneio seguem indefinidos por dependerem do desfecho dos campeonatos nacionais. Apesar das lacunas, o Correio avalia cada uma das chaves e os desafios à frente dos brasileiros

RODRIGO ANTONELLI
postado em 04/12/2014 00:00


O sorteio dos grupos da Copa Libertadores de 2015, no fim da noite de terça-feira, deixou muitos torcedores confusos pela América Latina. Isso porque a Conmebol, entidade responsável pela organização, se precipitou na escolha da data da cerimômia. Desse modo, o evento ocorreu sem que estivessem definidas 14 das 32 equipes que vão disputar o torneio. A consequência é que o chaveamento da maior competição do continente está cheio de lacunas.
No Grupo 8, por exemplo, não há sequer um clube garantido: nada menos do que 11 times podem ficar com as vagas disponíveis, dependendo dos resultados finais dos campeonatos nacionais de Argentina, Paraguai e Peru.
A fim de ajudar a desvendar os mistérios dos grupos, o Correio aponta quem pode cair em cada chave. Internacional ou Corinthians ficará no provável ;grupo da morte;, que tem também São Paulo e o atual campeão do torneio, o San Lorenzo.
É também possível o aparecimento de uma chave muito equilibrada no Grupo 7, dependendo das definições das próximas semanas. Cruzeiro e Atlético-MG, por sua vez, caíram em grupos menos complicados e não devem ter problemas para passar às oitavas de final. Confira todas as possibilidades a seguir.

Oliveira e Culpi ficam em 2015

O presidente do Cruzeiro, Gilvan de Pinho Tavares, e o diretor de Futebol, Alexandre Mattos, reuniram-se ontem com o técnico, Marcelo Oliveira, e acertaram a renovação de contrato do comandante até o fim de 2015. Também tiveram seus vínculos prorrogados os assistentes Tico do Santos e Ageu Gonçalves, além do preparador físico Juvenilson de Souza. O Atlético-MG, por sua vez, também estendeu o contrato do atual treinador por mais uma temporada. Levir Culpi está em sua quarta passagem pelo Galo e terá a missão de conduzir a equipe rumo ao bicampeonato da Libertadores.



Entenda as possibilidades

Grupo 1


; Atlético-MG
; Colômbia 2
; Colo Colo (CHI)
; Atlas (MEX)

O último adversário do Atlético-MG será conhecido em 21 de dezembro, quando acaba o Finalización (segundo turno do Campeonato Colombiano). Sete times têm chances de ser o ;Colômbia 2;: Medellín, Santa Fé, Tolima, Deportivo Cali, Águilas Doradas, Huila e Once Caldas. Isso porque o torneio está na fase semifinal ; com dois grupos de quatro times ;, e o campeão fica com a a segunda vaga direta do país andino na competição. Todos os citados acima, mais o Atlético Nacional (campeão do Apertura e que tem vaga garantida), disputam a taça. Se o Nacional ficar com o título de novo, o vice herda a vaga.


Grupo 2

; San Lorenzo (ARG)
; São Paulo
; Danúbio (URU)
; Vencedor do jogo 6 ; Corinthians ou Inter x Colômbia 3

Com o atual campeão, San Lorenzo, e o tricampeão continental São Paulo, o Grupo 2 deve se transformar no grupo da morte se Corinthians ou Inter (o que ficar em quarto no Brasileirão) confirmar a vaga após a pré-Libertadores. Nessa fase, a equipe brasileira pegará, provavelmente, o Santa Fé, que já tem a pré-vaga garantida mesmo antes do fim do Campeonato Colombiano por ter o melhor aproveitamento anual. Se o clube ganhar o Finalización (segundo turno do Nacional), ficará com vaga direta e deixará o time de segundo melhor aproveitamento na pré. Pode ser Once Caldas, Medellín ou Águilas Doradas.

Grupo 3

; Cruzeiro
; Mineros (VEN)
; Universitario (BOL)
; Vencedor do jogo 1 ; Peru 3 x Huracán (ARG)

O Cruzeiro se deu bem no sorteio e caiu em um grupo sem times tradicionais na competição. Universitario e Huracán voltaram a despontar no futebol de seus países só nesta temporada, enquanto o venezuelano Mineros tem apenas 33 anos de história e um único título na sala de troféus ; o do Campeonato Venezuelano de 1989. Na pré-Libertadores, o Huracán deve ter vantagem sobre qualquer um dos quatro peruanos ainda na disputa: Juan Aurich, Alianza Lima, Sporting Cristal e Melgar.

Grupo 4

; Emelec (EQU)
; Inter ou Corinthians
; Chile 2
; Vencedor do jogo 4 - Morelia (MEX) x The Strongest (BOL)

Seja Inter ou Corinthians, o time que ficar com o terceiro lugar no Brasileirão só saberá, por enquanto, que terá o Emelec pela frente e que esse grupo não deverá ser tão difícil quanto o 2. Os outros adversários da chave ainda não foram definidos. Morelia, campeão da Copa do México, e Strongest, terceiro colocado do Campeonato Boliviano, devem fazer duelo equilibrado por uma das vagas. A outra ficará com o campeão do segundo turno do Campeonato Chileno. O Colo Colo garantiu classificação para a Libertadores como campeão no primeiro turno e, se ficar com o título de novo, dará a vaga ao vice. Universidad de Chile e Santiago Wanderers estão na disputa.

Grupo 5

; Zamora (VEN)
; Argentina 4
; Wanderers (URU)
; Vencedor do jogo 5 ; Chile 3 x Nacional (URU)

O Grupo 5 é um dos mais indefinidos. O quarto classificado da Argentina ainda depende de muitos resultados no campeonato local para ser definido, e a terceira vaga do Chile também segue como incógnita. Na Argentina, o classificado sairá em 14 de dezembro, quando acabará o Nacional. São quatro equipes na briga: Boca Juniors, Vélez, Estudiantes e Racing. No Chile, o terceiro classificado virá de um quadrangular entre os quatro melhores classificados do Apertura ainda sem vaga. O único time garantido nesse quadrangular, por enquanto, é o Palestino.

Grupo 6

; River Plate (ARG)
; Peru 2
; San José (BOL)
; Tigres (MEX)

O peruano ainda indefinido nesse grupo deve ser apenas figurante na Libertadores. River Plate e Tigres são os favoritos da chave, e o San José tem mais tradição do que qualquer um dos quatro peruanos que ainda podem garantir vaga no torneio: Juan Aurich, Alianza Lima, Sporting Cristal e Melgar. Desses, o Juan Aurich, campeão do primeiro turno do Campeonato Peruano, é o mais forte.

Grupo 7

; Nacional (COL)
; Equador 2
; Libertad (PAR)
; Vencedor do jogo 2 - Equador 3 x Argentina 6

Poucos apostam nesse como o grupo da morte, mas ele pode ser um dos mais equilibrados. Nacional e Libertad são os melhores clubes de seus países atualmente, e as duas outras vagas devem ficar com equipes tradicionais na Libertadores. Um equatoriano do trio formado por LDU, Barcelona Guayaquil e Independiente del Valle com certeza estará no grupo e um dos argentinos (Boca Juniors, Vélez, Estudiantes e Racing) também tennde a fortalecer a chave, despachando um dos equatorianos citados acima na pré-Libertadores.

Grupo 8

; Peru 1
; Argentina 3
; Paraguai 2
; Vencedor

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação