ARI CUNHA

ARI CUNHA

Desde 1960 Visto, lido e ouvido aricunha@dabr.com.br com Circe Cunha / circecunha.df@dabr.com.br

postado em 05/04/2018 00:00



Verde e amarelo de Brasil

Pelas demonstrações havidas em todo o país, ficou mais do que evidente que é largamente majoritária a parcela da população que pedia a prisão imediata do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a manutenção do entendimento da prisão em 2; instância. Em todas as capitais, nas quais houve manifestação de rua, o verde-amarelo foi a cor predominante, o que, para bom entendedor, significa que os brasileiros, em sua maioria, apoiam os trabalhos de investigação que vêm sendo feitos por juízes e promotores da primeira instância, mormente os relativos à Operação Lava-Jato que têm o juiz Sérgio Moro à frente.

Aliás, em relação a esse magistrado, o mínimo que se pode dizer é que se trata de uma unanimidade nacional, que vem recebendo as mais enfáticas manifestações de apoio, sendo aplaudido de pé onde se apresenta. Nesse sentido, não há como não reconhecer que toda essa aura que parece emanar dele decorre, justamente, do apoio massivo que tem recebido da opinião pública. Em sentido contrário, o que se tem observado, ultimamente, é a hostilidade crescente da população em relação não só à figura do ex-presidente, mas aos políticos envolvidos em casos de corrupção.

No mesmo rol de desaprovação geral, aparecem também alguns ministros do STF, sobretudo, aqueles que têm demonstrado comportamento mais benevolente com os ex-presidentes e o staff petistas. Subestimar, ou mesmo desdenhar, a força onipotente da opinião pública justamente num momento de grande tensão é, para dizer o mínimo, perigoso. Nessas horas, em que o poder de inflamação geral parece atingir seu ponto máximo, inclusive, com declarações límpidas e certeiras vindas diretamente da caserna, todo o cuidado é recomendado.

Para os historiadores e cientistas sociais, a gravidade do momento revela, entre outras coisas, que a República, conforme foi estruturada após o retorno da democracia há 30 anos, vive seu momento de estertor máximo. A tentativa derradeira de estabelecer agora um ponto de inflexão a todo o processo de investigações, condenações e prisões, promovendo uma anistia geral e irrestrita aos políticos e empresários implicados nos rumorosos casos de corrupção, parece tão evidente como iminente. Mesmo assim, o campo político, maldição das instituições democráticas, será abordado de forma diferente. Em primeiro lugar, em termos práticos, é preciso uma ampla auditoria internacional nas urnas eletrônicas do país para evitar estragos maiores.

Nossa realidade é assim. Cheia de entrelinhas tecidas com a diáfana da ilusão. Há, então, a necessidade de uma estratégia mínima que traga resultados limpos em que o povo tome as rédeas na declaração genuína da vontade de eleger a pessoa certa. ; Nós, o povo; funciona melhor do que ;Nós, os representantes do povo.;

Ninguém com o mínimo de discernimento, tolera mais a costura de redes das narrativas sem fim, em que ululam ao mesmo tempo a destruição das oposições e a compra massiva de políticos. Dessa vez, de forma industrial, seguindo os parâmetros da esquerda de estandardização das vontades.

Com a máquina do Estado nas mãos erradas, crescem interesses pessoais, vaidades, mentiras, subornos, ameaças, apropriação indébita dos votos, resumidamente. Ninguém que ama o Brasil tolera mais o ;nós contra eles;, os números positivos produzidos nos estúdios da Elizabeth Arden da economia governo. Chega do festival de malas de dinheiro que ainda voam de um lado para outro, principalmente em direção a paraísos fiscais, do staff que amealha centenas de milhões das contas de campanhas devidamente lavadas e branqueadas no TSE e das delações, feitas na iminência da prisão.O fio da espada da Justiça, enfim veio à baila. É esse o país que temos e é esse o destino que traçamos. Ontem foi dada a primeira senha para a deflagração de um novo país. Nunca mais o Brasil será o mesmo.



A frase que foi pronunciada

;O correr da vida embrulha tudo. A vida é assim: esquenta e esfria, aperta e daí afrouxa, sossega e depois desinquieta. O que ela quer da gente é coragem.;
Guimarães Rosa


Release

; O combate à corrupção no Brasil foi tema central do 2; Congresso Internacional e do 7; Congresso dos Auditores do TCU, que estão sendo realizados, até sexta-feria, em Fortaleza. O congresso é promovido pela União dos Auditores do Tribunal de Contas da União (Auditar), presidida por Paulo Martins. Além da corrupção, também serão debatidos assuntos ligados à segurança pública, infraestrutura, previdência, governança, representação política e o papel do TCU no momento atual e no futuro.

Expectativa
; Obras iniciadas para receber o hospital, completo, Sírio-Libanês em Brasília. A sede será na L2 Sul.


História de Brasília

; O chapa 82, verde-amarelo, deve servir a algum vegetariano, porque eu nunca vi tanta verdura dentro de um carro só... (Publicado em 18/10/1961)





Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação