Vida de polêmicas e façanhas

Vida de polêmicas e façanhas

postado em 17/05/2014 00:00
 (foto: Indranil Mukherjee/AFP)
(foto: Indranil Mukherjee/AFP)



Um homem entusiasmado com as mídias sociais, que chegou a usar hologramas tridimensionais para se comunicar com os eleitores. Um governante que teve a vida pessoal e as posições nacionalistas profundamente contestadas. Um político dinâmico e eficiente, que fez do estado de Gujarat uma potência econômica dentro da Índia. A suposta inação de Narendra Modi ante o massacre de muçulmanos, em 2002, relegou-o à posição de pária internacional. Os Estados Unidos proibiram a emissão de visto ao então ministro-chefe de Gujarat. O Reino Unido cortou todos os laços com ele. Ao conquistar uma vitória incontestável, Modi calou os opositores e forçou o Ocidente a uma reaproximação inevitável.

O menino que cresceu num vilarejo pobre ajudava o pai a vender chá. Aos 17 anos, Modi casou-se com uma garota escolhida pelos pais cinco anos antes. A união nunca se consolidou, o casal raramente era visto sob o mesmo teto. O próprio Modi sempre evitou questões sobre a vida pessoal, em meio a sugestões de que ele teria optado pelo celibato por suas convicções nacionalistas hindus. Aos 20 anos, retornou de uma longa viagem ao exterior e alistou-se às fileiras da Rashtriya Swayamsevak Sangh (RSS), uma organização paramilitar de extrema-direita cuja ideologia era o altruísmo absoluto à nação. Brilhante orador, construiu sua reputação política à frente do governo de Gujarat e adotou o lema ;gente que faz;. É considerado a estrela mais brilhante do BJP. No entanto, desperta desconfiança dos muçulmanos por conta do massacre de 12 anos atrás.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação