Mais propostas e menos agressões

Mais propostas e menos agressões

No último debate antes do segundo turno das eleições, os candidatos ao Palácio do Buriti reduzem o tom de conflito e discutem ideias para os diferentes problemas do Distrito Federal e do Entorno

ALMIRO MARCOS KELLY ALMEIDA BERNARDO BITTAR
postado em 24/10/2014 00:00
 (foto: Minervino Junior/CB/D.A Press)
(foto: Minervino Junior/CB/D.A Press)

Menos ofensas e mais propostas. Esse foi o tom do último debate entre os candidatos ao Governo do Distrito Federal Rodrigo Rollemberg (PSB) e Jofran Frejat (PR). Em vez de agressividade, eles resolveram discutir as respectivas ideias sobre temas como mobilidade urbana, geração de empregos, Entorno, desenvolvimento econômico, máquina pública e modelo de funcionamento das administrações regionais.


O primeiro bloco permitiu aos candidatos trocarem perguntas sobre tema livre. Frejat questionou o adversário os motivos pelos quais era contrário à proposta de criação da tarifa de R$ 1 para o transporte coletivo. O socialista afirmou que é a favor da tarifa zero, mas que o momento não é adequado para implantá-la. ;Não existe dinheiro para essa tarifa de R$ 1. Essa proposta foi feita de forma irresponsável e é eleitoreira;, afirmou Rollemberg, que defendeu o bilhete único dentro de um sistema integrado de transporte coletivo. Frejat garantiu que todos os estudos foram feitos e vai implantar a tarifa de R$ 1 logo no primeiro dia de governo, caso eleito. ;Além disso, a nossa tarifa de R$ 1 será tarifa única.;


Apesar de o tema livre na primeira etapa do debate, Frejat e Rollemberg evitaram ataque pessoais nas perguntas e respostas. Rollemberg defendeu escolha de administradores regionais por meio de eleição direta. Para isso, disse que pretende, inclusive, mudar a Lei Orgânica do DF. Frejat discordou do adversário, mas manteve um tom moderado. O candidato do PR argumento que o administrador precisa ser morador da cidade, mas defendeu que governador tenha responsabilidade sobre ele.

Traição
Rollemberg foi alfinetado pelo adversário quando perguntado sobre a ligação com o governo Agnelo. ;Companheiro não abandona o outro quando as coisas estão ruins, tem é que estar junto e apoiar. Não é certo trair;, disse Frejat, sobre a participação do PSB no governo petista, inclusive com indicação de secretarias. Rollemberg respondeu que não participou diretamente do governo e, quando o partido decidiu se afastar da administração petista, as pessoas que continuaram na máquina administrativa tiveram que deixar a sigla. ;Você e o Agnelo é que estão juntos. O grupo dele (Agnelo) está pedindo votos para você;, acusou o socialista.


Os candidatos mostraram sintonia na defesa de melhorias para o Entorno, com políticas conjuntas entre DF e Goiás, expansão do metrô, fortalecimento das empresas públicas brasilienses e menos burocracia para os empresários. Ontem, porém, a saúde, um tema que prevaleceu nos encontros anteriores e dominado por Frejat, ficou em segundo plano. Os concorrentes ao Buriti não se questionaram sobre o setor. A respeito da educação, Frejat defendeu a criação da Universidade do DF e a expansão da escola em tempo integral. Rollemberg prometeu criar 10 mil vagas de ensino técnico e 60 mil em creches e escolas de educação infantil.


Nas considerações finais, Rollemberg agradeceu ao adversário pelo nível do debate. ;Tivemos uma discussão de alto nível sobre os principais pontos do Distrito Federal;, disse Rollemberg. ;Temos aqui dois projetos. O retorno ao passado, quando teve a maior crise política da história, e o projeto de mudança, com ética, transparência, inovação e eficiência;, acrescentou o candidato do PSB. Na despedida, Frejat prometeu instituir um plano de carreira para policiais e bombeiros, regularização de condomínios, tarifa de ônibus a R$ 1, fim da Agefis e obras nos condomínios mais pobres do DF. Ele disse estar emocionado em disputar a cadeira do Palácio do Buriti e que não tem mais idade para errar. ;Esse jovem que veio do interior do Piauí é candidato a governador na capital do país. Olha que coisa maravilhosa;.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação