Troca com troco

Troca com troco

Renault lança câmbio automatizado para o hatch, que está no mesmo nível da concorrência. O consumo com o novo sistema ficou dentro do esperado, de 13,5km/l

» Eduardo Aquino
postado em 04/12/2014 00:00
 (foto: Fotos: Renault/Divulgação)
(foto: Fotos: Renault/Divulgação)

Depois de promover uma completa reestilização nas linhas Sandero e Logan, a Renault precisava também dar uma reformulada mecânica no hatch e no sedã. A resposta veio recentemente, com o Easy;r, um câmbio automatizado (que é uma caixa manual com sistema eletrônico que controla a embreagem e efetua as trocas automaticamente) desenvolvido pela alemã ZF, que aposenta o automático de quatro velocidades e passa a ser uma opção das versões Expression e Dynamique com motor 1.6 8V, competindo diretamente com os dispositivos Dualogic e I-Motion da concorrência. A moda dos automatizados surgiu como um alternativa mais barata aos automáticos. O novo câmbio da Renault aumenta os preços dos carros em R$ 2.400.

Cinco velocidades
Como foi desenvolvido sobre o atual câmbio manual, o Easy;r também tem cinco velocidades. O novo dispositivo possibilita trocas automáticas ou manuais sequenciais, por meio de alavanca. Como medida de segurança, a partida no motor somente é liberada com a alavanca na posição neutro (N) e o pedal de freio acionado. As mudanças automáticas são feitas com a alavanca na posição D, enquanto as manuais são realizadas deslocando a alavanca para o lado esquerdo (no M). Com toques para a frente, o motorista reduz as marchas; para trás, ele joga as marchas para cima. Para facilitar as manobras de estacionamento, o Easy;r tem a função Creeping, que faz com que o veículo se mova lentamente; bastando tirar o pé do freio com o veículo engatado em primeira marcha ou marcha a ré. Ele auxilia também nas arrancadas em rampas de até quatro graus de inclinação.


Na pista
Assim como os câmbios dos rivais, o novo Easy;r vai agradar bastante a quem não quer ter o trabalho de pisar no (abolido) pedal da embreagem nem de ficar movendo a alavanca de marchas. Realmente, é um conforto, principalmente naqueles congestionamentos ;para e anda;, que exigem muitas mudanças, e em trechos mais tranquilos de estradas. O motorista só precisa colocar a alavanca na posição D e dosar um pouco o acelerador (tirando um pouco o pé durante as trocas) para que as mudanças sejam suaves. Mas, ao andar rápido, pisando fundo no acelerador, o desconforto dos pequenos trancos, que deslocam os corpos dos ocupantes do carro para a frente, aparece. É claro que, com o tempo, o motorista vai pegando o jeito e aprende a dosar de forma mais refinada o pedal do acelerador para reduzir esse incômodo, mas ele não desaparece.

Manual
Por outro lado, quem já fica satisfeito somente pelo fato de não ter que pisar no pedal da embreagem e não se importa de trocar as marchas, o modo manual vai surpreender, pois é mais eficiente, suave (trocando no tempo adequado) e transmite mais segurança nas retomadas de velocidade (leia-se ultrapassagens) que o automático, mesmo recorrendo ao recurso do kick-down, quando se pressiona o pedal do acelerador até o fundo para reduzir rapidamente as marchas. As trocas manuais se mostraram mais apropriadas em subidas mais íngremes, nas quais o modo automático fica mudando de primeira para segunda marcha e, dependendo da situação, cai no N, exigindo que o motorista arranque no meio da ladeira. O consumo registrado no computador de bordo no modo automático, com gasolina e ar ligado, só o motorista e em estrada de pista dupla e com pouco movimento, foi de 13,5km/l. No modo manual, na mesma situação, melhorou um pouco: 14,1km/l.


Contra
Por outro lado, essa versão do Sandero fica devendo: cinto de três pontos para quem senta no meio; borboletas para mudar marcha junto ao volante, regulagem elétrica de altura dos fachos dos faróis e mostrador analógico do nível de combustível (o digital adotado pela Renault tem traços muito largos, que oferecem pouca precisão).

Preços
O Sandero com câmbio automatizado Easy;r é vendido nas versões Expression (R$ 43 mil) e Dynamique (R$ 47.180). O Logan também pode ter esse câmbio: Expression (R$ 45.490) ou Dynamique (R$ 50.180).


Ficha técnica

Motor

Dianteiro, transversal, quatro cilindros em linha, 1.598cm;
de cilindrada, oito válvulas, que gera potências de 98cv (gasolina) e 106cv (etanol) e torques de 13,4kgfm (gasolina) e 15,5kgfm (etanol)

Dimensões
Comprimento, 4,06m; largura, 1,99m; altura, 1,53m; e entre-eixos, 2,59m

Porta-malas

320 litros

Aceleração até 100km/h

11,2 segundos (gasolina) e 11s (etanol)

Velocidade máxima
177km/h (gasolina) e 179km/h (etanol)




Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação