Reclamações de profissionais e usuários

Reclamações de profissionais e usuários

BRUNO SANTA RITA*

postado em 02/09/2018 00:00




O caminhoneiro Ozéias Rodrigues de Souza, 53 anos, trabalha nas estradas do Brasil há 23 anos. A principal reclamação do motorista é o preço do diesel. Segundo ele, mesmo após a greve dos caminhoneiros, em maio, a situação continua difícil. ;O diesel permanece sendo problema para a gente;, afirma. Outra reclamação diz respeito aos pedágios. ;Eles (os pedágios) são muito caros. Passamos por vários deles nas viagens;, lembra.

A infraestrutura também é um obstáculo levantado pelo motorista. Ele explica que um dos trajetos que costuma fazer passa pela BR-163, famosa pelo alto índice de acidentes. ;São trechos ruins, muito perigosos;, exemplifica. Fora as situações complicadas do dia a dia. ;Uma vez, um ônibus fez uma ultrapassagem errada e levou meu retrovisor. Quase bateu no outro caminhão que vinha na outra pista;, comenta.

As situações de perigo são repetidas por outros companheiros de profissão. Meirielen Oliveira, 31, é carreteira há sete. Ela conta que já sentiu medo ao fazer alguns percursos, inclusive a BR-163. ;Quando saio de Cuiabá, rezo para pegar um comboio para ir junto;, ressalta. Ela lembra que sempre há acidentes na estrada e que, às vezes, isso dificulta completar o trajeto dentro dos prazos estipulados. ;Já esperei dias na estrada para terminarem de guinchar um caminhão acidentado;, frisa.

* Estagiário sob a supervisão de Leonardo Meireles




Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação