Da advocacia para a alta-costura

Da advocacia para a alta-costura

postado em 19/05/2019 00:00
 (foto: Wallace Martins/Esp. CB/D.A Press)
(foto: Wallace Martins/Esp. CB/D.A Press)


;Eu acredito que tudo começou com a minha paixão por tecidos. Tanto que o meu programa preferido em viagens sempre foi me aventurar em lojas locais e descobrir novas texturas e cores;, acredita a estilista Amanda Guerra, 30 anos. Nascida no Rio de Janeiro e criada em Brasília, Amanda cursou direito como primeira graduação, mas não se identificou 100% com a área. Foi então que resolveu arriscar, trocando os livros jurídicos pelos moldes e croquis.

;Desde a adolescência gostava muito de comprar tecidos e fazer minhas próprias roupas na costureira. E, entre as muitas áreas da moda, na faculdade, descobri que gostava mesmo de criar e desenhar;, conta. Matriculou-se, então, na faculdade de design de moda. Há cinco anos, após a conclusão do curso, reservou um espaço de casa para montar o ateliê. Como toda mudança de carreira, houve inseguranças no início. Mas a certeza de que estava fazendo o que amava foi a motivação para persistir.

Quanto ao processo de conquistar e consolidar o público, Amanda afirma que o sucesso não veio de uma hora para a outra. Foram necessárias paciência e busca por especializações na área. Para isso, a estilista realizou cursos dentro e fora do Brasil, encontrando na alta-costura para noivas o seu nicho de atuação. ;O pessoal de Brasília investe muito no casamento, e tanto as madrinhas quanto a própria mãe da noiva fazem questão de estar muito bem-vestidas.;

Quando questionada sobre sua marca registrada nas criações, Amanda responde sem hesitar: ;Eu nunca economizo nos tecidos;. Além disso, ela conta que busca sempre a modelagem que valorize melhor a cliente, fazendo um mix do moderno com o sexy. ;O que me motiva diariamente é poder contribuir para aumentar a autoestima e propiciar a realização de um sonho para elas.;

Nas criações recentes, Amanda aposta no trendy das mangas mais bufantes e fortes referências dos anos 1980.



Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação