Eduardo Bolsonaro leva punição de Bivar, homem-forte do PSL

Eduardo Bolsonaro leva punição de Bivar, homem-forte do PSL

O filho do presidente da República é suspenso por um ano pelo PSL, assim como mais 13 parlamentares. Outros quatro recebem advertência. Parte dos penalizados quer seguir o chefe do Executivo, que busca criar o Aliança pelo Brasil

» Luiz Calcagno
postado em 04/12/2019 00:00
 (foto: Najara Araújo/Câmara dos Deputados - 15/7/19)
(foto: Najara Araújo/Câmara dos Deputados - 15/7/19)


O presidente do PSL, o deputado Luciano Bivar (PE), retomou o controle do partido na Câmara dos Deputados. A disputa interna da sigla, porém, ainda não chegou ao fim. Ontem, o diretório nacional do partido confirmou a suspensão do deputado Eduardo Bolsonaro (SP) e de mais 13 parlamentares ; outros quatro levaram advertência (veja quadro). O filho do presidente Jair Bolsonaro não poderá exercer atividades partidárias por um ano. O grupo deve entrar com recurso no próprio diretório nacional. Se não for bem-sucedido, poderá apelar ao Supremo Tribunal Federal (STF).

Com a suspensão, os parlamentares perderão funções na Câmara, como lugares em comissões. Eduardo Bolsonaro, por exemplo, terá de deixar a liderança do partido na Casa, mas seguirá como presidente da Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional até o fim do ano, porque chegou ao cargo por meio de eleição e, portanto, fica imune a mudanças orquestradas pelo partido. O filho de Bolsonaro, no entanto, terá de sair da CPI Mista das Fake News, na qual ocupava uma vaga.

Os parlamentares foram punidos devido à briga por poder dentro da legenda, com a tentativa de retirar Luciano Bivar do comando da sigla. Eles já manifestaram o desejo de integrar o partido Aliança pelo Brasil, que Jair Bolsonaro pretende criar.

;O movimento claro, insofismável, visível, é que querem formar outro partido, mas não podem querer explodir o PSL e deixar o partido às traças. São pessoas, políticos responsáveis, patriotas, liberais e que querem continuar sua vida pública, política e partidária;, afirmou Luciano Bivar.

Questionado sobre a saída dos parlamentares para a futura legenda de Bolsonaro, Bivar disse que ;o mandato é uma coisa da legislação e uma discussão da Executiva nacional;. ;O partido é impessoal. Nada é decidido sem uma reunião, sem a Executiva e sem a elite pensante, que são os deputados.;

O ;autoritarismo; de Bivar é apenas uma das acusações do grupo de parlamentares bolsonaristas do PSL. A principal reclamação, segundo eles, é a falta de transparência da legenda. Segundo Filipe Barros (PR), a decisão do diretório nacional não surpreende. ;Já esperávamos, uma vez que a reunião que aconteceu hoje (ontem) foi um circo armado pelo autoritário presidente Luciano Bivar, onde ele comanda todos os membros da Executiva;, disparou.

Barros afirmou que a batalha chegará ao STF. ;Existe divergência jurídica quanto à extensão dessa suspensão. Alguns entendem que isso afetaria as questões internas do partido, outros, nossa vida parlamentar. Isso será judicializado, se for necessário. E ainda existe a possibilidade de entrarmos com um recurso administrativo, que está pendente;, destacou. ;Minha relação com o PSL é muito boa. Eu já disse nas minhas mídias que eu sou um soldado do presidente, mas existe uma questão jurídica que envolve isso. Não podemos deixar a legenda neste momento. Todos os deputados estão aguardando uma orientação jurídica.;


  • Recurso bilionário

    O PSL deixou de ser nanico após eleger 52 deputados no ano passado ; na prática, deve receber algo próximo de R$ 1 bilhão em recursos públicos até 2022. A intenção do grupo ligado a Bolsonaro era afastar Bivar para poder dar as cartas na distribuição do dinheiro. A manobra, no entanto, não foi bem-sucedida.




  • Os castigados
    Veja as punições por deputado

    Suspensão
    Bibo Nunes (RS) 12 meses
    Alê Silva (MG) 12 meses
    Daniel Silveira (RJ) 12 meses
    Eduardo Bolsonaro (SP) 12 meses
    Sanderson (RS) 10 meses
    Carlos Jordy (RJ) 7 meses
    Vitor Hugo (GO) 7 meses
    Bia Kicis (DF) 6 meses
    Carla Zambelli (SP) 6 meses
    Filipe Barros (PR) 6 meses
    Márcio Labre (RJ) 6 meses
    General Girão (RN) 3 meses
    Junio Amaral (MG) 3 meses
    Luiz Philippe de Órleans e Bragança (SP) 3 meses

    Advertência

    Aline Sleutjes (PR)
    Chris Tonietto (SC)
    Hélio Lopes (RJ)
    Coronel Armando (SC)



  • Entenda o caso

    Crise dos laranjas


    A crise no PSL começou após publicações de reportagens denunciando as suspeitas de candidaturas laranjas do partido nas eleições de 2018. O presidente da legenda, Luciano Bivar (PE), e o ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, são alguns dos investigados. As desconfianças incomodaram o presidente Jair Bolsonaro. O estopim foi uma declaração dele a um apoiador pré-candidato às eleições no Recife, ao dizer que Bivar estava ;queimado pra caramba;. Depois disso, vazou um áudio do deputado Delegado Waldir (GO) chamando o presidente da República de ;vagabundo;, em processo que culminou na votação que deu a liderança do partido na Câmara a Eduardo Bolsonaro.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação