Ponta do iceberg

postado em 29/12/2013 00:00

Se a indústria da moda já adotou o couro como fonte de possibiliades e desenvolvimento, o mesmo não ocorre com tanta frequência em outros segmentos. Daí a iniciativa do CICB por meio do Design na pele. ;O projeto objetiva apurar o senso estético, levar uma cultura de moda e design para os curtumes. Pensamos que os técnicos, os químicos e demais profissionais que desenvolvem o couro também podem trabalhar na criação de produtos finais com alto valor agregado;, defende o coordenador Maurício Medeiros.


Medeiros informa ainda que a produção desenvolvida na primeira etapa do projeto deu origem ao livro homônimo e foi devidamente registrada em material que será divulgado no Brasil e no exterior, durante as maiores feiras de couro do mundo: Le Cuir, em Paris, APLF ( Hong Kong) e Xangai, na China, e Lineapelle em Bolonha, na Itália, entre outras. ;Nossa ideia é que o Brasil seja referências em todas as pontas do setor, tanto em matéria-prima quanto em design.;


Ele conclui que o projeto, inédito no país, representa um amadurecimento do setor. ;Já na primeira fase tivemos adesão satisfatória de empresas e trabalhamos com curtumes de todos os portes, do menor ao maior. Trata-se de um processo de aculturação principalmente interno que visa aumentar a percepção do couro brasileiro a partir de criatividade;, reforça.
Para o estilista Ronaldo Fraga a inciativa indica apenas o começo de um novo momento para o couro brasileiro. ;Este projeto é a ponta de um iceberg e sinaliza um novo caminho não só para o couro, mas também para outras matérias-primas nacionais. Imagine que já fomos referência na produção de linho e de algodão e acabamos perdendo o lugar. Está na hora de retomar este posto e de abrir novas frentes;.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação