Poesia com forma

Poesia com forma

Em novo livro, Felipe Fortuna faz poemas visuais pontuados por política, humor, lirismo e algum romantismo

» Nahima Maciel
postado em 17/12/2015 00:00
 (foto: Editora Topbooks/Divulgação-30-11-10)
(foto: Editora Topbooks/Divulgação-30-11-10)




Foi preciso um processo de depuração para chegar aos poemas visuais de Taturama. Há muito Felipe Fortuna queria fazer poesia visual, mas sempre se encontrava preso à ideia de que o gênero precisava seguir os ditames proclamados pelo movimento concreto nos anos 1950. ;Sempre pensei em fazer, mas nunca aconteceu porque a poesia visual no Brasil está muito relacionada ao movimento concreto. Mas a poesia visual tem, pelo menos, 3 mil anos. Tem elementos dela até no Egito antigo. Quando me libertei da ideia de que esse tipo de poesia só existia no concretismo, consegui fazer;, conta.

Liberto de conceitos e modelos, Taturama é um conjunto muito livre de versos que refletem sobre todo tipo de temática. Há política e humor, mas também algum lirismo e um pouco de romantismo nos versos de Fortuna. Eventos políticos recentes ou mais distantes inspiraram versos como os de Elos de corrente, que trata das manifestações de 2013, e Tabela do campeonato, que relembra os momentos mais violentos da ditadura militar. A pátria verás é um trocadilho entre versos de Olavo Bilac e do Hino Nacional, e a especulação financeira ganhou uma crítica em Ganhei (perdi) meu dia.

Até Augusto dos Anjos entrou para o universo de Fortuna: Eu é uma versão em poesia visual de alguns versos do poeta simbolista. ;Ele era um tremendo poeta visual. Quando leio os poemas dele fico muito impactado pela imagem a que me remetem. Ferreira Gullar diz que Augusto dos Anjos é um poeta muito táctil, e eu concordo, mas também acho que ele é muito visual;, diz Fortuna.

Taturama foi concebido ao longo de um ano, quase que instantaneamente. ;Os poemas foram surgindo uns após os outros como seu estivesse participando de uma sessão espírita;, brinca o autor. A tecnologia ajudou muito a dar forma ao conjunto com mais rapidez. Programas de design gráfico facilitaram o processo. Agora, Fortuna quer ir além do papel e testar a capacidade de dar movimento aos poemas graças a programas de computador próprios para animação.

Pode não parecer, mas o sétimo livro de poesia desse carioca, que é também diplomata, mantém profunda conexão com os volumes anteriores. O tom político é um dos elos. ;Taturama tem um pensamento político vinculado, ou um pensamento dos fatos políticos. E tem uma presença de humor em alguns poemas;, explica o autor, ao lembrar que a política é tema presente há séculos na poesia. ;Homero com a Ilíada fez uma poesia política, a guerra era o tema. Maiakovski é conhecido pelos poemas em forma de discurso e Drummond fez o belíssimo A rosa do povo, sobre a Segunda Guerra. São múltiplos os exemplos de política combinada com a poesia;, aponta o poeta, que cedeu alguns versos inéditos para a publicação nesta página.

Taturama
De Felipe Fortuna. Edições Pinakotheke, 116 páginas. R$ 42. Lançamento hoje, às 19h, no Carpe Diem (SCLS 104, Bloco D, Loja 1).


Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação