Senado suspende resolução da Anac

Senado suspende resolução da Anac

Medida ainda depende da Câmara. Para aéreas, cobrança de bagagem reduziria preço de passagens

» HAMILTON FERRARI*
postado em 15/12/2016 00:00
 (foto: Jhonatan Vieira/Esp.CB/D.A Press)
(foto: Jhonatan Vieira/Esp.CB/D.A Press)


OSenado aprovou ontem à noite decreto legislativo sustando a resolução da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) que autorizou as companhias aéreas a cobrarem pelas bagagens despachadas. A matéria ainda tem que ser examinada pela Câmara.

Antes da decisão no Congresso, o presidente da Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear), Eduardo Sanovicz, comemorou as regras anunciadas para a aviação civil, por considerar que proporcionarão uma ;maior democratização do sistema de transporte aéreo; e gerarão maior competitividade entre as empresas. Segundo ele, o consumidor brasileiro será beneficiado com queda de preço.

No caso das bagagens, a norma da Anac permite às empresas aéreas cobrarem pelo despacho de volumes. Em compensação, o peso das malas de mão passará de 5kg para 10kg. Na opinião de Sanovicz, as medidas contribuiriam para a redução de preço das passagens. ;Todos os países que adotaram tais medidas tiveram queda no preço das tarifas;, declarou.
O Brasil está entre os cinco melhores mercados de aviação doméstica, mas há 15 meses consecutivo vem perdendo demanda por conta do cenário econômico. Segundo Sanovicz, as regras serão instrumentos para ter classes tarifárias mais baratas e que poderão recuperar a demanda de 9 milhões de passageiros perdida neste ano.

Ele disse que os preços já devem diminuir em 2017. ;Há na Europa empresas aéreas que cobram 25 euros por passagens sem ter alimentação, escolha de assento e bagagens. Ao longo do próximo ano, vamos viver experiências de preços parecidos;, afirmou. Além disso, Sanovicz disse que a maior liberação de espaços no bagageiro do avião dará abertura para as encomendas expressas.

O Ministério Público Federal (MPF) aceitou as reclamações dos órgãos de defesa do direito do consumidor e decidiu entrar com uma ação judicial questionando a legalidade e constitucionalidade das novas regras. ;A medida representa um retrocesso legal, viola o direito do consumidor e não garante os supostos benefícios anunciados, como a redução das tarifas das passagens;, comunicou o órgão.

Os passageiros também reclamam da falta de espaço para colocar bagagens no compartimento acima das poltronas da aeronave. Com a cobrança do despacho de bagagens, o avião deve ficar sobrecarregado de malas de mão. Sanovicz disse que as empresas ;devem se preparar para isso;.

A diretora pedagógica Erica Aleci, 43 anos, e o marido, o gerente comercial Gustavo Marinho, 43, viajam cerca de uma vez por ano com os filhos. Ela diz que os preços das tarifas já estão muito elevados e não acredita que irá cair com as novas regras. Eles estão viajando para Ribeirão Preto. ;Compramos a passagem por R$ 500. Isso é muito caro. As empresas não estão interessadas no benefício do consumidor e, sim, lucrar mais;, disse Erica.

*Estagiário sob supervisão de Rozane Oliveira

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação