Liminar obriga CEB a atender

Liminar obriga CEB a atender

Justiça proíbe Companhia Energética de Brasília de deixar qualquer morador sem atendimento emergencial, mas greve dos servidores continua sem solução

» LUCAS VIDIGAL Especial para o Correio » RENATA RIOS
postado em 12/11/2017 00:00
 (foto: Carlos Vieira/CB/D.A Press)
(foto: Carlos Vieira/CB/D.A Press)

A Justiça determinou, ontem à tarde, que os servidores da Companhia Energética de Brasília (CEB) têm que atender a todos os chamados emergenciais de reparos e suspensão de energia elétrica no DF. Na prática, a liminar do desembargador Pedro Luís Vincetin, do Tribunal Regional do Trabalho da 10; Região, determina o retorno dos servidores da estatal ao trabalho, após quase uma semana de greve.

Ontem à tarde, a companhia registrava 2.409 pedidos não atendidos. Até o fechamento desta edição, o Sindicato dos Urbanitários (Stiu/DF) alegava ainda não ter sido notificado da decisão. Enquanto a medida judicial não é cumprida, a população não sabe quanto tempo pode ficar sem energia em casa.

Problemas simples, como a religação da chave de segurança em caso de curto-circuito na rede ; comuns nas temporadas de chuvas ; demoram mais de um dia para serem solucionados. Em um prédio em Águas Claras, 100 moradores ficaram às escuras por quase 26 horas, das 13h20 de sexta-feira às 15h de ontem.

A professora Ivana Carvalho, 35 anos, precisou usar um resto de bateria do celular, para chamar o pai e pedir que buscasse as carnes do congelador. Sem luz e com a geladeira vazia, todos dormiram cedo. ;Sem tevê e telefone;, relata Ivana. O racionamento de água quinta-feira piorou a situação. Na sexta, sem energia, não havia como bombear água por muito tempo. ;Isso sem contar os transtornos que os idosos tiveram para subir as escadas;, ressalta o síndico do edifício, Eduardo Dória.

Campanha salarial
Uma nova assembleia está marcada para amanhã, às 9h, na sede da CEB, no SIA. Os servidores pedem reajuste pela inflação calculado pelo índice INPC, entre 2015 e 2017. Também reivindicam reajuste do abono, tiíquete natalino e melhorias no plano de saúde.

A CEB apresentou contraproposta de R$ 142,74 de reajuste, acréscimo de R$ 157,26 no tíquete alimentação e três talões de tíquetes extras. A categoria recusou. Sexta-feira, o secretário da Casa Civil, Sérgio Almeida, e o presidente da CEB, Lener Silva, classificaram os servidores de ;oportunistas; e suspenderam as negociações.

A previsão para hoje, no DF, é tempo encoberto a nublado com pancadas de chuva esparsa.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação