Política externa humanitária da Turquia

Política externa humanitária da Turquia

» ALI KAYA SAVU Embaixador da República da Turquia
postado em 29/10/2018 00:00
A Turquia celebra hoje o 95; aniversário da proclamação da República. Com uma política externa empreendedora e humanitária, o país pode fazer a diferença. Desde o final da guerra fria, o contexto político, econômico e social global vem passando por mudanças significativas que, junto com oportunidades, trazem desafios. Situada no centro de uma geografia onde ocorrem intensas transformações, a Turquia é imediatamente afetada por essa dinâmica.

Impulsionada por seus meios e capacidades crescentes, a Turquia se esforça para responder de forma eficaz aos desafios de maneira determinada e ética. Com o objetivo de reforçar os laços e cooperação com os parceiros para paz, segurança, estabilidade e prosperidade, age como ator confiável e responsável guiado pela máxima: ;Paz em casa, paz no mundo;. O país tem entendimento voltado para a cooperação, baseado no respeito mútuo e em uma abordagem vantajosa para ambas as partes.

A Turquia segue uma política externa empreendedora e humanitária, com visão global e toma iniciativas concretas para promover a estabilidade e a prosperidade em sua região e além. Com base nas próprias experiências, a Turquia é fervorosa defensora da solidariedade e parceria internacionais, com vista a construir um mundo mais seguro, salvar vidas humanas e proteger o meio ambiente, mediante estratégia sustentável e coletiva.

Em 2011, quando a Somália foi atingida por fome severa, todos os segmentos da sociedade turca foram mobilizados para ajudar. Gradualmente, esse processo resultou em uma política abrangente que inclui ajuda humanitária, desenvolvimento e estabilização em uma estratégia integrada. Atualmente, o núcleo da política de resposta humanitária turca é constituído pela assistência humanitária voltada para o desenvolvimento. Dada a complexidade das crises presentes, a relação entre os aspectos humanitário e de desenvolvimento precisa ser fortalecida para aumentar a resistência e a capacidade dos atores receptores de responder às próprias crises.

Crises humanitárias são desencadeadas por desenvolvimento insatisfatório, problemas ambientais, conflitos, pobreza e falta de infraestrutura. Em muitos casos na África Subsaariana, existe um círculo vicioso que envolve os países. Círculo esse difícil de quebrar, por graves problemas de desenvolvimento. É preciso utilizar diversas ferramentas para combatê-los, no primeiro estágio, a Turquia intervém a pedido do país anfitrião com ajuda humanitária para alívio imediato e segue com projetos de desenvolvimento em paralelo ou simultaneamente, conforme a necessidade.

A longo prazo, o uso combinado de ferramentas humanitárias e de desenvolvimento torna-se rentável para os doadores. À medida que os países afetados aumentam o nível de desenvolvimento e se tornam mais resistentes, reduzem a necessidade de ajuda externa no futuro. Essa abordagem tem sido especialmente bem-sucedida na África Subsaariana.

A assistência humanitária da Turquia foi diversificada e aumentou significativamente nos últimos anos. Em 2017, de acordo com o Relatório Global de Assistência Humanitária, a Turquia aparece em segundo lugar na lista dos maiores doadores em todo o mundo, com assistência de US$ 8 bilhões. O país ocupa o primeiro lugar quando a proporção entre assistência humanitária oficial e renda nacional é levada em consideração. Além disso, a Sociedade do Crescente Vermelho turco e numerosas ONGs turcas são muito ativas em escala global.

As contribuições humanitárias da Turquia não se limitam a projetos de assistência bilateral. O país pretende aumentar as contribuições a várias organizações internacionais. Para ajudar ainda mais e oferecer orientação aos esforços humanitários da ONU, a Turquia tornou-se membro do Grupo de Apoio aos Doadores do Ocha ; Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários. A Turquia também sediou a primeira Cúpula Humanitária Mundial em Istambul, de 23 a 24 de maio de 2016. Uma das principais conquistas do encontro foi o reconhecimento de que os antigos debates sobre divisão entre humanitário e desenvolvimento devem ser superados mediante nova maneira de trabalhar. Obviamente, a abordagem de política externa empreendedora e humanitária da Turquia é fenômeno novo que precisa ser seguido para uma cooperação genuína.



Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação