Grita geral

Grita geral

grita.df@dabr.com.br (cartas: SIG, Quadra 2, Lote 340 / CEP 70.610-901)

postado em 17/05/2014 00:00
TRANSPORTE PÚBLICO
ÔNIBUS SUPERLOTADO

O analista de infraestrutura José Ricardo Gonçalves Carvalho, 39 anos, enfrenta dificuldades desde a mudança na frota de ônibus. Antes das alterações, o leitor pegava a linha 522, que saía do terminal de Sobradinho 2, onde mora, com destino ao local onde trabalha, na L2 Sul. Segundo ele, o ônibus ficava sempre vazio. Depois, o coletivo passou a deixar o terminal de Sobradinho. Por isso, ao chegar à primeira parada da cidade, o veículo não oferece mais lugares disponíveis. José Ricardo entrou em contato com a Secretaria de Transporte por diversas vezes, porém nunca conseguiu uma resposta.

; A Subsecretaria de Fiscalização da Secretaria de Transportes informou que ;a ordem de serviço emitida pelo DFTrans vem sendo cumprida pela empresa. Ocorre que o sistema de transportes está sendo remodelado e vai passar a operar em sistema tronco-alimentado. Isso significa que os ônibus terão mais frequência, passando mais vezes e com intervalos menores em cada parada.; O novo sistema, com tarifa integrada, está sendo implantado por etapas, e vai atender todas as regiões do DF. ;A mudança faz parte do compromisso do GDF em oferecer transporte digno e eficiente à população;, concluiu.





NÚCLEO BANDEIRANTE
VIZINHOS SEM-NOÇÃO

O funcionário público José Martins Ponte, 51 anos, reclama do problema que vem enfrentando com seus vizinhos. De acordo com o morador do Núcleo Bandeirante, eles insistem em ;coletivizar; o som das residências. José conta que há inclusive uso de som automotivo, que chega a fazer tremer os vidros das casas próximas. José tem criança e um doente na residência e, ao explicar isso aos vizinhos, ouviu que os ;incomodados se retirem;. José Martins entrou em contato com a polícia, mas, quando uma equipe chega ao local, os barulhentos abaixam o som. ;Depois, a festa continua;, queixou-se.

; O Instituto Brasília Ambiental (Ibram) informou que a poluição sonora pode ser enquadrada como contravenção penal e como crime ambiental. Para tanto, é necessário verificar se a poluição ocorreu em níveis que resultem ou possam resultar em danos à saúde. É preciso, portanto, que José registre uma ocorrência na Ouvidoria do órgão. A Polícia Civil explicou, que ante do barulho provocado pelo vizinho, o ofendido deve acionar a Polícia Militar, via 190.


Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação