Um encontro por Pessoa

Um encontro por Pessoa

Em entrevista ao Correio, Cleonice Berardinelli, maior especialista do poeta no Brasil, fala sobre a amizade com Maria Bethânia, outra admiradora do escritor, que resultou em um DVD

» Irlam Rocha Lima
postado em 13/12/2014 00:00
 (foto: Gabriela Doria/Divulgação)
(foto: Gabriela Doria/Divulgação)



Cleonice Berardinelli foi apresentada a Maria Bethânia pelo professor da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RJ) Júlio Diniz quando ele a levou ao Canecão, em 1995, para assistir ao show da cantora, Imitação da vida. O que as aproximou foi a paixão de ambas pela obra de Fernando Pessoa, o poeta português, do século 19, com forte presença na obra das duas.

O desdobramento da amizade, surgida naquela extinta casa de espetáculos carioca, trouxe ótimos frutos. Em 2013, elas se apresentaram em recital na Festa Literária Internacional de Paraty (Flip) e exibiram conhecimento de causa: Dona Cléo, 98 anos, imortal da Academia Brasileira de Letras, na condição de maior especialista em Pessoa no Brasil; e Bethânia, que ao longo de 50 anos de carreira, popularizou a obra do lusitano, incluindo versos de poemas no roteiro dos shows e no repertório de discos.

Logo depois, a leitura foi filmada no estúdio da gravadora Biscoito Fino, durante dois dias, pelo diretor Marcio Debellian. No filme, ele faz a costura dos poemas com conversa sobre a obra de Pessoa, ressaltando aspectos da personalidade de seus heterônimos Álvaro de Campos, Alberto Caeiro e Ricardo Reis.

Na gravação, o clima de intimidade e humor foi determinante para a interação entre a professora carioca e a artista baiana, e contribuiu para pontuar o ritmo e a fluidez do roteiro. Houve, ainda, a apropriação de trechos da carta na qual o próprio Pessoa explica a gênese de seus heterônimos ao também poeta Adolfo Casais Monteiro.

Sob o título O vento lá fora, o documentário filmado em preto e branco, tem duração de 64 minutos, com trilha sonora que traz o pianista Nelson Freire interpretando trechos de obras de Liszt e Schumann e composições de Egberto Gismonti, executadas em flauta e violino, além de uma pequena participação de Bethânia ao piano.

;Desde que conheci a professora Cleonice depois de um show meu no Canecão, há quase 20 anos, ficamos próximas. O nosso amor por Fenando Pessoa fez a amizade solidificar-se e culminou com documentário O vento lá fora, no qual ela demonstra total naturalidade diante das câmeras;, comenta Bethânia. ;A ideia é que o filme chegue a alunos de escolas públicas e seja utilizado como material didático;, acrescenta.

Em cartaz atualmente em cinemas do Rio de Janeiro ; onde foi exibido inicialmente, no Rio International Film Festival ; e em São Paulo, O vento lá fora, segundo Debellian, tem como foco principal a palavra, a poesia. ;O meu desejo é que as pessoas sintam as palavras, ditas por duas intérpretes carismáticas, que estão irretocáveis, numa química cênica muito bonita. Mas a grande senhora da cena é a poesia de Fernando Pessoa;, completa.



O vento lá fora
Documentário sobre a obra de Fernando Pessoa com Cleonice Berardinelli e Maria Bethânia, dirigido por Márcio Debellian. Lançamentio da gravadora Biscoito Fino. Preço médio: R$ 40.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação