Um éden em meio às águas

Um éden em meio às águas

São 115 ilhas de coral e granito, cercadas pelo Oceano Índico, que formam praias bem tranquilas. Várias delas ainda permanecem intocadas. O ambiente é ideal para recém-casados, que buscam privacidade, tranquilidade e romantismo num cenário de sonho

» Juliana Contaifer
postado em 27/05/2015 00:00
 (foto: Turismo de Seychelles/Divulgação)
(foto: Turismo de Seychelles/Divulgação)

Reza a lenda que o jardim de Éden original era o que, hoje, se conhece como o arquipélago de Seychelles. A pequena nação ; que conta com apenas 91 mil habitantes ; se espalha por 115 ilhas no Oceano Índico, próximo a Madagascar. Muitas dessas pequenas ilhotas são intocadas pelo ser humano, verdadeiros paraísos onde se pode passar um dia, mas jamais pernoitar. Outras são cuidadas por apenas uma pessoa.

Deu para imaginar o cenário? O mar em vários tons de azul, tranquilo, com poucas ondas e quente ; a temperatura fica entre 26;C e 30;C ;, árvores que fazem sombra e nenhum vendedor ambulante à vista. São praias desertas. É o local escolhido para lua de mel de vários casais ao redor do mundo, entre eles o príncipe William e a duquesa de Cambridge, Kate Middleton.

Seychelles é considerada pelos cientistas um dos territórios imóveis mais antigos do planeta. Os primeiros a encontrar as ilhas foram os portugueses, um ano depois de colocarem os pés no Brasil, e as apelidaram de as Sete Irmãs, mas só em 1609 realmente se foi a Seychelles. Em 1770, os franceses resolveram colonizar o arquipélago, que, até então, era inabitável. Anos depois, os ingleses reivindicaram o território. Imigraram africanos, indianos e árabes. Finalmente, em 1976, o país conquistou a independência.


Por causa de toda essa colonização, o povo de Seychelles se considera um ;caldeirão fervente de cultura;, onde várias etnias se misturam e acontecem ao mesmo tempo. Os estudantes aprendem o criolo no começo da alfabetização, mas logo entram em uma parte do ensino no qual todo o conteúdo é ministrado em inglês e há aulas de francês obrigatórias. Isso mesmo, a maioria dos seychelloises é trilíngue.

Em três das 115 ilhas se concentra a população, que sorri o tempo todo e cumprimenta a todos. A ilha de Mahe, onde fica a capital, Victória ; uma das menores capitais do mundo ;, é a maior do arquipélago. São 224 quilômetros quadrados de um cenário que mistura as praias paradisíacas com montanhas cobertas de vegetação tropical.

Big Ben
A cidade minúscula abriga um templo hindu pequeno, mas bastante colorido, uma réplica em miniatura do Big Ben, o icônico relógio inglês erguido em 1903, em homenagem ao jubileu de ouro da rainha Victoria. O mercado Sir Selwyn Clarke Market é onde os nativos e os turistas podem encontrar frutos do mar frescos, frutas tropicais, suvenires e temperos cultivados na ilha. Há poucas opções de restaurante e boates, mas os lugares possuem algumas indicações.


Algumas das praias mais bonitas da ilha de Mahe são Beau Vallon, que abrigam alguns resorts e tem águas calmas e ótimas para a prática de esportes aquáticos; Anse Intendense, que parece uma praia deserta de filme; Anse Soleil; Anse Royale e a Petit Anse, a praia do hotel Four Seasons, que pode ser acessada aos não hóspedes por uma trilha.

Pelo cenário paradisíaco e resorts luxuosos, Seychelles é um conhecido destino para luas de mel. Muitos casais visitam o arquipélago, mas é visível a quantidade de crianças e famílias que invadem as praias desertas.

O governo de Seychelles é atento à sustentabilidade e à preservação de suas ilhas, uma vez que a fauna e a flora, além das praias paradisíacas, são ass atrações. Para conservar, a população é bastante consciente e o país tenta adotar a energia eólica.


Gosto apurado
Por ficar no Oceano Índico, Seychelles tem o clima ideal para o cultivo de temperos. Nos mercados e no restaurante Le Jardin du Roi, são vendidos produtos plantados na ilha, que também cultiva chá verde. Nas florestas, é fácil encontrar árvores de canela, pés de baunilha e cravo, páprica, pimenta, açafrão e muitos outros temperos. O principal produto de exportação de Seychelles é o óleo de coco, que também é encontrado à venda facilmente.


A cozinha
Por ter uma cultura tão misturada, a cozinha creola também é muito variada. Da Índia vem os pratos com curry; da China, o arroz, os vegetais e o peixe assado; da França, as ervas aromáticas e da costa da África, o leite de coco e as infusões de banana. Todas essas influências são aplicadas na grande oferta de frutos do mar e de frutas tropicais ; tudo com pimenta!




Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação