Onde ex-atletas não têm vez

Onde ex-atletas não têm vez

Das 30 confederações olímpicas do país, apenas oito são presididas por ex-competidores. Explicação passa por falta de qualificação, perpetuação de dirigentes nos cargos e esquemas de apoio entre entidades

postado em 24/08/2015 00:00
 (foto: Carlos Moura/CB/D.A Press - 18/2/13
)
(foto: Carlos Moura/CB/D.A Press - 18/2/13 )

No esporte, plano de carreira de atletas não aparece como prática comum. Prova disso é que das 30 confederações olímpicas do Brasil apenas oito são presididas por ex-competidores, ou seja, 73% dos profissionais que ocupam cargo de mandatário tiveram uma realidade diferente daquela de treinamentos diários, cotidiano de viagens e de provas. Em junho, o craque Zico, ao anunciar a vontade de se candidatar à Fifa, afirmou que o futebol no país sofre pela falta de representatividade entre jogadores. Ele salientou que é mais fácil pleitear a direção da Fifa do que a da CBF, devido a esquemas de apoio político entre confederações.

As entidades brasileiras comandadas por ex-atletas são aquelas que, historicamente, sofrem com patrocínios escassos, como ciclismo, esgrima, remo, rúgbi, tae kwon do. Já nas instituições de modalidades mais populares, como futebol, basquete e natação, a ausência de ex-competidores é explícita. Na linha de frente delas, estão dirigentes que sequer tiveram contato com o esporte na prática. Apenas em 2014, o Comitê Olímpico do Brasil decidiu mudar a forma como distribuía os recursos provenientes da Lei Agnelo/Piva, a fim de equalizar o destino dos 2% ganhos do faturamento de loterias.

Em levantamento feito pelo Correio, foram identificadas outras duas barreiras no caminho de ex-atletas para chegar ao cargo máximo das entidades. A primeira está relacionada à formação acadêmica, que predomina em 27 dos 30 currículos presidenciais. Embora não seja um pré-requisito institucional para lançar uma candidatura, no momento de eleição, o fator mostra-se determinante. Atualmente, para cada 10 profissionais nomeados à função, apenas um não tem nenhuma graduação.

A segunda diz respeito à duração das gestões. Com base nos dados apurados, o tempo médio de cada mandato é de 10,26 anos. A Confederação Brasileira de Canoagem tem João Tomasini Schwertner como presidente desde a fundação, há 28 anos. O segundo com maior tempo no cargo é Coaracy Nunes Filho, há 27 anos à frente da Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos.

No contexto nacional de formação de competidores, a ausência de recursos e incentivos que permitam a conciliação entre o esporte e a faculdade é histórica. ;Antigamente, os nossos atletas tinham uma formação e um nível acadêmico aquém das exigências para questões administrativas. Isso foi preservado;, explica o professor Paulo Henrique Azevêdo, fundador da Associação Brasileira de Gestão do Esporte (AbraGEsp). Outra barreira identificada por ele está relacionada com apoios na transferência de cargos. Cita o exemplo de João Havelange, que, após encerrar o mandato na CBF, conseguiu eleger o então genro Ricardo Teixeira.

Conhecimento

Dos seis dirigentes que foram atletas profissionais, apenas Carlos Fernandes, presidente da Confederação Brasileira de Tae kwon do, não tem curso superior, mas conta ter adquirido experiência em administração de eventos enquanto era lutador. Ele admite que a condução da entidade depende do conhecimento em gestão.

Na visão do ex-remador Edson Altino Pereira Júnior, presidente da confederação brasileira da modalidade e formado em administração, o atleta nunca teve tanto apoio na história do país quanto atualmente. Por isso, não pode culpar a falta de financiamento pela não qualificação.

Presidente da Confederação Brasileira de Ciclismo, José Luiz Vasconcellos, ex-competidor da modalidade e formado em educação física, ressalta: ;Na minha época, eles mesmos (atletas) falavam que queriam fazer outras coisas (quando encerrassem carreira);.

Estranhos no ninho

Veja quais são os oito ex-atletas que estão no comando de entidades

  • Gerli dos Santos - Confederação Brasileira de Esgrima
  • Alaor Azevedo - Confederação Brasileira de Tênis de Mesa
  • José Luiz Vasconcellos - Confederação Brasileira de Ciclismo
  • Carlos Fernandes - Confederação Brasileira de Tae kwon do
  • Emilio Strapasson - Confederação Brasileira de Desportos no Gelo
  • Edson Altino Pereira Júnior - Confederação Brasileira de Remo
  • Enrique Montero Dias - Confederação Brasileira de Levantamento de Peso
  • Sami Arap Sobrinho - Confederação Brasileira de Rugby

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação