À procura de um nome que una as polícias

À procura de um nome que una as polícias

O governador Rodrigo Rollemberg deve anunciar esta semana o nome do novo chefe da pasta de Segurança Pública. Especialistas defendem que o cargo tenha mais poder e autonomia para garantir o sucesso do combate à criminalidade

» GUILHERME PERA
postado em 09/11/2015 00:00
 (foto: » GUILHERME PERA)
(foto: » GUILHERME PERA)



Depois da queda de braço entre o secretário de Segurança Pública, Arthur Trindade, e o comandante-geral da Polícia Militar, coronel Florisvaldo César, que levou à crise na área e à saída do chefe da pasta, a escolha do novo secretário vai exigir muito diálogo com a cúpula das polícias. Insatisfeitos com as relações que o sociólogo Arthur Trindade mantinha com as corporações, representantes do setor pressionam o chefe do Executivo a nomear alguém que, como eles definem, ;conheça a segurança pública e saiba integrar as instituições;.

Apesar das críticas internas, especialistas elogiam o trabalho desenvolvido pelo acadêmico e apontam para a dificuldade estabelecida pela Constituição Federal. A lei determina que as corporações devem responder ao chefe do Executivo local, e não ao secretário. O novo espaço a ser preenchido no primeiro escalão surge em um momento problemático para Rodrigo Rollemberg. As negociações com os sindicatos na tentativa de pôr fim às greves, criticadas até por integrantes do PSB-DF, continuam nesta semana. Apesar de a sinalização de pagamento retroativo acalmar algumas categorias, médicos, professores e agentes de trânsito continuam de braços cruzados. Na Câmara Legislativa, projetos de lei para aumentar a arrecadação, considerados pelo GDF como fundamentais para pagar salários e reajustes, repousam nas comissões, pois os distritais obstruem a pauta. Há acordo, inclusive, para não votar nada do Executivo amanhã. Em meio a todo o cenário, o socialista terá que dar atenção redobrada a um setor que apresentava bons resultados durante este primeiro ano de gestão. O número de homicídios, por exemplo, caiu 14% em 2015. Diante das dificuldades de agradar tanto à Polícia Civil quanto à Polícia Militar e com a dificuldade de encontrar nomes do DF, Rollemberg pode nomear alguém ligado ao PSB nacional, de preferência algum profissional oriundo de Pernambuco, onde o Pacto pela Vida trouxe bons resultados.

Na visão do coronel José Vicente da Silva Filho, ex-secretário Nacional de Segurança Pública, Rollemberg deve se espelhar ainda mais no ex-governador pernambucano Eduardo Campos (PSB, morto em 2014), principal influência do programa governamental Viva Brasília com o Pacto Pela Vida. ;Não consigo imaginar um perfil de secretário enquanto as polícias tiverem excessiva autonomia. Rollemberg deve seguir o exemplo do correligionário dele, Eduardo Campos, e se reunir pelo menos uma vez por mês com os comandantes das corporações;, comparou. Para o especialista, o chefe do Executivo não deveria ter recebido uma representação de coronéis da Polícia Militar em casa. ;O trabalho do Arthur era positivo. Rollemberg demonstrou fraqueza e falta de autoridade. Ele tinha que receber somente o secretário, transformá-lo em um protagonista, tentar dar prestígio e condições para um trabalho continuado;, disse. E concluiu: ;O comandante Florisvaldo César mostrou insubordinação e deveria ser substituído. Rollemberg precisa recomeçar do zero.;


Os elogios ao trabalho de Trindade são parte do discurso da professora do curso de segurança pública da Universidade Católica de Brasília (UCB) Marcelle Figueira. Para a docente, o novo secretário deve priorizar o Viva Brasília. ;Não devemos pensar em bons profissionais operacionais como bons gestores. Uma gestão de excelência é feita com diagnósticos e resultados. É necessário formular uma política distrital de segurança pública. Encontrar brechas, ser criativo e dar mais poder ao secretário por meio de decretos;, afirmou. Segundo a docente, porém, Rollemberg ;retirou o capital político da secretaria;. ;Não adianta trazer alguém com excelente perfil, caso não dê poder à pasta;, disse.

Sem forasteiros
Enquanto o GDF procura um novo chefe para a pasta, a afirmação de que o secretário de Segurança é ;uma rainha da Inglaterra;, feita por Arthur Trindade, repercute. ;O chefe da pasta precisa entender que secretário de Segurança Pública não manda;, afirmou Jair Tedeschi, presidente da Associação dos Oficiais da Reserva Remunerada e Reformados da Polícia Militar do Distrito Federal e do Corpo de Bombeiros Militar do Distrito Federal (Assor-DF). ;A palavra-chave para o cargo é coordenação. O secretário precisa ser alguém do DF e que saiba integrar as forças. É necessário ter trâmite nas corporações ; e é aí onde o Trindade mais pecava;, avaliou o coronel e também ex-secretário de Segurança Pública do DF.

Mais enfático que Tedeschi, o presidente do Sindicato dos Policiais Civis do Distrito Federal (Sinpol-DF), Rodrigo Franco, diz que a figura de um secretário de Segurança é ;desnecessária;. ;As corporações têm autonomia e respondem diretamente ao governador;, disse. Para conseguir ter sucesso na função, segundo o sindicalista, o escolhido deve ter a garantia de algum poder pelo chefe do Executivo. E um perfil diferente de Trindade. ;É preciso ser alguém com liderança, comando e proximidade com o ramo;, listou. ;Arthur é estudioso, mas a prática é outra. Precisa ser alguém que conheça como funciona, que ouça as instituições e saiba o que os policiais pensam;, ressaltou.


"O chefe da pasta precisa entender que secretário de Segurança Pública não manda;

Jair Tedeschi, coronel e presidente da Associação dos Oficiais da Reserva Remunerada e Reformados da PM e dos Bombeiros

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação