Dicas de português

Dicas de português

por Dad Squarisi >> dadsquarisi.df@dabr.com.br

postado em 04/12/2016 00:00


Recado
"Comumente levo mais de três semanas para preparar um bom discurso de improviso."
Mark Twain




Isto ou aquilo?
É dezembro. A meninada faz provas pra passar de ano. As empresas preparam relatórios. Candidatos a uma vaga na universidade se esforçam pra chegar lá. Eles têm um denominador comum. Precisam mostrar domínio da língua. Como?

;A gramática é um sistema de armadilhas cuidadosamente preparado;, escreveu Ambrose Bierce no início do século 20. Verdade? Talvez. Mas um fato ninguém discute: as regras estão ao alcance de todos. Ao conhecê-las, desarmamos as ciladas uma a uma. E, em vez de nos derrubar, as normas ampliam o espaço de liberdade. Na dúvida, podemos trocar seis por meia dúzia.

Mas, para fazê-lo, precisamos, antes, questionar e, depois, escolher. A propósito, vale lembrar história pra lá de conhecida. O presidente pediu à secretária que marcasse reunião para sexta-feira. Ela interrompeu a anotação e perguntou ao chefe:
; Sexta com x ou com s?
Ele se esquivou:
; Marque para sábado.

Acerca de? Há cerca de? A cerca de?
Ops! Pronúncias iguais, mas grafias e significados pra lá de diferentes. Safar-se incólume de tão delicadas questões exige intimidade com a língua ;conhecer classes de palavras e empregos. Quer ver?

Acerca de é locução prepositiva. Locução porque tem mais de uma palavra. Prepositiva porque funciona como preposição. O trio significa sobre, a respeito de: Pronunciou-se acerca da oscilação do dólar. No discurso, o senador falou acerca do acidente na Colômbia.

Cerca de quer dizer aproximadamente: Recebeu cerca de R$ 500. Na manifestação havia cerca de mil pessoas. Vou esperar cerca de três meses para entrar com pedido de aposentadoria.

Há cerca de indica contagem de tempo passado (faz aproximadamente): Viajou há cerca de dois meses. A tragédia aérea ocorreu há cerca de uma semana. Moro aqui há cerca de 10 anos.

A cerca de exprime tempo futuro: Viajará daqui a cerca de seis meses. A cerca de dois anos das eleições, candidatos estão em plena campanha.

Acho que? Eu, particularmente, acho que?
Xô, achismo! Com o tal achar, o enunciado fica fraco, inconvincente. Em vez de ;Acho que o Brasil entrará num período de crescimento sustentado;, basta ;O Brasil entrará num período de crescimento sustentado;. Mais: o particularmente, que costuma acompanhar o verbo molengão, também sobra: (Eu, particularmente, acho que) O Brasil entrará num período de crescimento sustentado.

Acidente? Incidente?
Acidente é fato imprevisto, em geral desastroso: acidente de trânsito, acidente aéreo, acidente que matou 10 pessoas.

Incidente é episódio, atrito, fato de importância menor: incidente diplomático, incidente entre os irmãos, incidente desnecessário.


Afora? A fora?
Afora quer dizer à exceção de, além de, ao longo de: Afora o pai, veio toda a família. Exerceu alguns cargos, afora o de presidente da República. Viajou Brasil afora.

A fora se opõe a de dentro: De dentro a fora.

Agradecer-lhe? Agradecê-lo?
Não seja ingrato. Agradeça. Mas agradeça com classe. Agradecer pede objeto direto de coisa e indireto de pessoa: Agradeceu o presente. Agradeceu ao pai. Agradeceu o presente ao pai. Agradeço ao diretor pela promoção.

Na substituição do alguém pelo pronome, é a vez do lhe: Agradeço-lhe pela colaboração. Agradeço-lhe a atenção. Agradeci-lhe os cuidados com as crianças.

Álcoois? Álcools?
Moçada, bobear é proibido. O plural de álcool é álcoois
sim, senhores.

Alto e bom som? Em algo e bom som?

A expressão agradece, mas dispensa a preposição em. Xô! Assim: O Copom anunciou a redução dos juros alto e bom som. Proclamou os vencedores alto e bom som. O delegado disse alto e bom som o que pensava do episódio.

Ambos os filhos? Ambos filhos?
Dupla ou trio? Com o numeral, dois é pouco, três é bom. Depois de ambos, o substantivo deve ser antecedido de artigo: ambos os alunos, ambos os países, ambas as provas.



Leitor pergunta
Ficamos tristes com o acidente que dizimou o time da Chapecoense. É triste também o fato de a mídia falar em vítimas
fatais. Será que repórteres não sabem o significado de fatal?

Roberto Barreto, Ipatinga
Vale lembrar. Fatal é o que mata. O acidente é fatal. O morto ou o ferido são vítimas. Sofrem o efeito da tragédia.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação