ENTREVISTA COM ALEX

ENTREVISTA COM ALEX

Ele critica a falta de camisas 10, detona fim do Bom Senso, questiona Borja, Romero e fala em ser dirigente de futebol

Victor Gammaro*
postado em 18/08/2017 00:00
 (foto: Bárbara Cabral/Esp. CB/D.A Press)
(foto: Bárbara Cabral/Esp. CB/D.A Press)



"Não há ninguém igual a mim"



Um dos maiores jogadores da história do Fenerbahçe, da Turquia, e ídolo de Coritiba, Palmeiras e Cruzeiro, o ex-jogador Alex critica a postura dos jogadores do futebol brasileiro pela falta de continuidade do Bom Senso, movimento criado em 2013 em busca de melhores condições para os atletas do país, e que tinha Alex como um dos principais personagens.

Em entrevista ao Correio, ele critica a importância dada aos times de Rio de Janeiro e de São Paulo, enquanto ;esquece; bons trabalhos feitos em Minas Gerais e no Rio Grande do Sul. Campeão brasileiro com o Cruzeiro em 2003, Alex acredita que o elenco celeste atual é melhor que o do Palmeiras, clube em que o ex-camisa 10 conquistou a Libertadores da América, em 1999.

Hoje comentarista, Alex não pretende largar o futebol. Não descarta trabalhar como dirigente ou treinador. Confira a entrevista com o ex-jogador, que está em Brasília para divulgar o Futebol City, atração que estará no Parque da Cidade no mês de outubro.



Por que o Bom Senso acabou?

Acabou da forma que eu imaginava. A participação do jogador é fundamental e, caso ele não queira participar, acaba. Enquanto tinha quem desse a cara, o Bom Senso continuava, mas aí alguns pararam, saíram ou sofreram retaliações nos clubes, daí o movimento diminuiu.

Acha que a força do movimento pode voltar?
Não sei. Eu não jogo mais, não sinto mais na pele o que eles sentem. Eu me sinto ofendido, mas não me atinge diretamente. Eu fiz muito quando estava em atividade, se quiserem minha ajuda de alguma forma, estou aberto. Os jogadores é que têm que responder, eles ainda jogam, ainda sofrem.

Os jogadores são culpados pelo fim do Bom Senso?
Eles são responsáveis por muitas coisas. Mas não só eles, várias gerações anteriores, como a minha. Vivemos em um mundo egoísta: se não te atinge, não interessa. É um mal da sociedade, não acontece só no futebol.

Pensa em ser dirigente, treinador?
Eu adoro futebol, penso sim. Não consigo me dissociar disso. Eu casei com a filha de um ex-dirigente (Daiane Mauad, filha do ex-presidente do Coritiba, Edison Mauad). Penso em ser dirigente, é uma área que me interessa e me incomoda, não me vejo em uma situação longe do esporte. Mas, agora, estou me dedicando aos meus filhos, não consigo fazer as coisas meio termo, não dá para dividir.

Se virar técnico, pode ter a concorrência de estrangeiros. O que pensa sobre isso?

Não tenho nada contra. Eu morei fora, fui estrangeiro e muito bem tratado, também tive treinador de fora, não vejo problema nisso. Eu acredito em qualidade, ou você tem ou não tem, não olho para a nacionalidade.

Muitos criticaram o Flamengo pela contratação do Rueda;
Ele fez um bom trabalho lá no Atlético Nacional, vai fazer aqui? Não sei, é uma outra cultura. Paulo Bento é um mau treinador? Não, mas deu errado, (Ricardo) Gareca funciona na seleção peruana. Temos que dar tempo para ele, não sei qual é a ideia do Flamengo, mas acredito que, se ele tiver o ano inteiro de 2018, pode funcionar.

Estamos vivendo uma safra ruim de treinadores no Brasil?

Não. O futebol brasileiro está como está e só piora porque não se treina. Não tem tempo, só se joga. A discussão da qualidade técnica do nosso futebol começa pelo calendário. Se você não repete movimentos, você não melhora. Temos técnicos, não temos tempo. Qual treinador brasileiro conseguiu trabalhar, de verdade, nesse ano? O Corinthians foi quem mais teve tempo, as pessoas ficam superanimadas, mas vai durar quanto tempo? Nós só nos preocupamos com a vitória do nosso time no domingo. Qual treinador tem moral no Brasil? A imprensa batia até no Telê Santana, o chamava de pé-frio. Não tem gol de jogada ensaiada porque não treina, não tem gol de falta porque não treina.

Você agora trabalha na imprensa;
A imprensa é um torcedor que tem poder de falar no microfone. O cara da imprensa não tem muito mais conhecimento que o cara que está na arquibancada, essa é a realidade. ;Mas eu sou jornalista, isso me torna mais conhecedor que você;, não! Isso te torna jornalista. Vejo vários por aí falando em números, queria ver essas pessoas com 22 coletes na mão e tendo que entregar resultado no fim de semana. A imprensa não tem responsabilidade nenhuma, depois diz que errou e pronto. É melhor o torcedor formar a própria opinião do que mudá-la após ouvir um comentarista.

Você jogou no Flamengo e no Palmeiras, eles desapontaram em 2017;

Desapontaram por quê? Para mim, o time do Cruzeiro é melhor que o do Palmeiras, mais equilibrado. O Palmeiras gastou mais, mas e daí? Foram campeões brasileiros sem jogar bem, só tinham vontade, mas não era bonito. O Flamengo gastou, gastou... Mas existe diferença entre contratação e reforço. Só sabemos se é reforço mesmo quando o cara entra em campo. O Conca tem problema físico, nem joga, vão falar que ele fracassou no Flamengo, mas mal entrou em campo;

No Palmeiras, tem o Borja;
É outro exemplo, a imprensa o vendeu como um grande centroavante, um goleador, parecia que estava chegando um cara com 300 gols na carreira. Ele é goleador? Não é. Goleador éramos eu, Romário, Zico. Ele é bom jogador, mas a imprensa o vendeu como o novo Evair, o novo Careca. É bom jogador, mas venderam como se fosse um grande artilheiro desde o dia que nasceu, e não é.

Acha que a imprensa trata diferente os times do Rio e São Paulo?
No Brasil, tudo que vem de São Paulo ou Rio é melhor que Minas ou Rio Grande do Sul. Eu posso falar, já joguei no Cruzeiro e sei como é. Meu Cruzeiro passeava, ganhava de qualquer um passeando, e os caras insistiam que o Santos ia ganhar da gente. As pessoas têm, até hoje, dificuldade em falar que o Cruzeiro teve os três melhores times da era dos pontos corridos (2003, 2014 e 2015). O Corinthians do Tite também passeava, mas só insistem em lembrar deles. Mas quem viu, sabe.

O camisa 10 igual a você está em extinção? Acha que hoje em dia teria mais chance na Seleção?

Não tem igual a mim, o que mais se aproxima é o Thiago Neves, do Cruzeiro, que é decisivo, faz seus gols. A função que eu fazia está quase extinta. Seleção eu não sei, dependeria da preferência do Tite. Na minha época, acho que a concorrência era maior. Concorri com três caras que levaram a Bola de Ouro da Fifa: Ronaldinho, Kaká e Rivaldo. Ainda assim, vou morrer achando que poderia ter atuado no mesmo nível deles na Seleção.

O que mudou no fu

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação