Denise Rothenburg

Denise Rothenburg

por Denise Rothenburg » deniserothenburg.df@dabr.com.br
postado em 19/01/2018 00:00


E eles disseram não ao PT
O manifesto que o PT preparou em busca das assinaturas de todos os partidos com viés de esquerda foi rejeitado pelo PSB e pelo PDT. A Rede segue pelo mesmo caminho. ;Achamos que Lula deve disputar a eleição, mas o manifesto mistura uma série de assuntos. Não vamos apoiar o manifesto. Se alguém o fizer, será individualmente;, diz o presidente socialista, Carlos Siqueira. O documento recebido pelos presidentes dos partidos não começa com o cerne da questão, o direito de um líder popular ser candidato a presidente. As primeiras linhas atacam diretamente o governo ;ilegítimo de Temer, ataques e retrocessos de toda a ordem; ; retrocesso, aliás, que muitos integrantes de partidos ditos ;de esquerda; não veem dessa forma.

O texto menciona que Aécio Neves e Temer seguem em suas posições, intocáveis. Nos bastidores, muitos discordaram inclusive desses temos. Até porque Temer e Aécio tiveram e têm seus dissabores. Do grupo de Temer, Geddel Vieira Lima está na cadeia, assim como os ex-deputados Henrique Eduardo Alves, Eduardo Cunha e Rodrigo Rocha Loures. O próprio presidente ontem respondeu a uma série de questões à Justiça, sobre o decreto de Portos. E quanto aos retrocessos, os números da economia indicam o oposto. A radicalização que o PT pretende levar às ruas no dia 24, misturando tudo num só balaio, não encontra eco. Ou o partido foca o essencial, ou não agregará.

Vem para a Caixa I
As assessorias dos partidos de oposição ao governo foram orientadas a estudar dia e noite o tema Caixa Econômica Federal e seus vice-presidentes afastados. A ordem é levantar tudo o que for possível e, a partir daí, armar o cenário para tentar desgastar ainda mais o governo, quando o Congresso reabrir.

Vem para a Caixa II
A intenção dos oposicionistas é jogar holofotes sobre a demora do presidente Michel Temer em afastar os vice-presidentes sob investigação. O governo tentará contornar. Afinal, os governistas sabem que, quanto mais barulho, mais difícil votar a reforma previdenciária.

Enquanto isso, nos estúdios do SBT;
Antes de Michel Temer entrar no auditório para a entrevista, o apresentador Sílvio Santos faz um preâmbulo para comunicar aos telespectadores que, todas as vezes em que se faz mudanças, a população fica preocupada e exibiu na tela trecho de entrevistas antigas com contextos semelhantes.

Tem para todo gosto
Sílvio Santos mostra, por exemplo, a ex-ministra Zélia Cardoso de Melo, em 1990, à época comandante da economia no governo Collor. Depois, apresenta outro trecho com Fernando Henrique Cardoso explicando o Plano Real. Em seguida, chama o atual presidente para dar as explicações das reformas. A previsão é ir ao ar no domingo.

Malandragem não escolhe partido/ Deputados do PT tiveram seus telefones clonados. Adelmo Carmo, de Minas, Andrés Sanchez e Paulo Teixeira, de São Paulo, começaram a aparecer em grupos de WhatsApp de parlamentares pedindo dinheiro e nem sabiam do que se tratava. Tucanos também tiveram o mesmo problema recentemente.

Resolve aí/ Teixeira viu seu número clonado pela terceira vez. ;Estou tentando administrar com a Claro. É a terceira vez que isso acontece, embora na primeira eles tenham me dito que não se repetiria.;


Sexteto I/ Pelo andar da carruagem, daqui a pouco vai sair um novo partido do Complexo Médico-Penal, em São José dos Pinhais, na região metropolitana de Curitiba. Lá, para onde Sérgio Cabral (foto) será levado, estão Eduardo Cunha, Gim Argello, João Vaccari Neto, André Vargas e Luiz Argôlo.

Sexteto II/ Um partido só com essa turma de São José dos Pinhais, incluindo Cabral, ficaria hoje do mesmo tamanho do PV e do PSol. E ainda ganharia em tamanho da Rede e do Patriota, que nos registros da Câmara aparecem com três deputados cada um.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação