Ceilândia sob vigilância

Ceilândia sob vigilância

Com 423 mil moradores, a região administrativa mais populosa do Distrito Federal tem 3.624 infectados e 81 mortos. Além da densidade populacional, fatores econômicos e dificuldade em seguir as regras sanitárias impactam o aumento diário de casos na cidade

» WALDER GALVÃO
postado em 19/06/2020 00:00


A região administrativa mais populosa do Distrito Federal sofre os impactos da disseminação do novo coronavírus. Com 423 mil moradores, Ceilândia lidera o ranking das cidades com maior incidência da doença: são 3.624 infectados e 81 mortos. Além da grande população, outros fatores influenciam o crescimento acelerado da enfermidade no lugar. Especialistas alertam que a vulnerabilidade social, a baixa renda per capita e o desemprego são alguns dos fatores que resultaram na disseminação da covid-19 na cidade. Hoje, o DF chegou a 28.521 casos e 344 óbitos (leia reportagem ao lado).

Monitoramento do Governo do Distrito Federal (GDF) mostra que Ceilândia tem uma das menores taxas de isolamento social das regiões administrativas. Levantamento divulgado ontem revela que apenas 33% dos moradores da cidade respeitam as medidas de restrição. A localidade fica atrás do Pôr do Sol (31%) e da Estrutural (26%). O Lago Norte (59%) e o Lago Sul (53%) são os que mais cumprem a orientação de permanecer em casa.

Tendo em vista o aumento de casos em Ceilândia, a Secretaria de Saúde decidiu, na semana passada, interromper a atividade comercial por três dias na cidade. Além disso, outras ações foram tomadas para combater o novo coronavírus (veja Vulnerável). Porém, após o fim da suspensão, a região registrou mais de mil casos. Em 11 de junho, quando os estabelecimentos foram reabertos, havia 2.610 infectados.

Outro fator que influencia o aumento de casos em Ceilândia é a formação de aglomerações. Trabalho da Casa Civil flagrou, em uma semana, 79 situações em que havia mais de 100 pessoas reunidas. A fiscalização ocorre diariamente. ;A ideia é de, a partir da próxima semana, gerar uma listagem desses pontos de aglomeração em todo o DF para fazer uma fiscalização mais efetiva;, comentou. ;O descumprimento está crescendo também no Sol Nascente. Isso é refletido no aumento de casos. Se continuar assim, a tendência é crescer;, alertou o subsecretário de Inovação da Casa Civil, Paulo Medeiros.

A Pesquisa Distrital por Amostra de Domicílios (Pdad) da Companhia de Planejamento (Codeplan) mais recente, divulgada em 2018, mostra que Ceilândia tem a 10; renda per capita mais baixa do DF: R$ 1.125,06. No Lago Sul, com a média de remuneração mais alta, o valor é de R$ 8.322,81. No total, são 432.927 moradores na cidade. Segundo o estudo, 40,4% da população não tinham emprego com carteira assinada.

A infectologista do Hospital Regional da Asa Norte (Hran) Ana Helena Germoglio explica que são vários fatores que podem apontar o crescimento de casos em uma região. De acordo com a médica, além da densidade populacional, existe o aglomerado familiar nas áreas de baixa renda. ;É mais gente morando junto e com dificuldade de segregação. Se um da casa fica doente, é difícil que outro não adoeça;, comentou.

Outra característica que implica aumento de casos em Ceilândia, segundo a infectologista, é a necessidade do salário. ;Muitas pessoas dessas cidades (de menor renda) trabalham no comércio. Elas dependem desse trabalho para a subsistência;, frisou.
Nas ruas de Ceilândia, o descumprimento das medidas sanitárias é frequente. Ontem, o Correio flagrou aglomerações, além da falta e do uso incorreto de máscaras na cidade. A apresentadora Elicouto Pereira, 45 anos, reconhece que muitos não seguem as restrições. ;Ceilândia tem muito trabalhador, pessoas com baixa renda, que não podem ficar trancadas em casa. Como isso não acontece, o governo tem de intensificar as campanhas de conscientização;, ressaltou.

Para a atendente Kátia Emília Vieira dos Santos, 35, o aumento de casos em Ceilândia deve-se, também, à falta de cuidados. ;No meu trabalho, temos placas informando que só atendemos a pessoas com máscara, porém, muitos não usam;, criticou. ;Acham que tudo voltou ao normal, mas não é assim;, afirmou.


Ações do GDF em Ceilândia

; Reorganização de fluxo de atendimento de pacientes no Hospital Regional de Ceilândia (HRC), habilitando-o para atendimento de pacientes com a covid-19, incluindo 30 leitos de unidade de terapia intensiva (UTI)


; Fortalecimento da atenção primária da saúde, com ampliação de equipes de saúde da família e implementação de testes diagnósticos nas 18 Unidades Básicas de Saúde (UBS) da cidade

; Prioridade na realização de exames para pacientes da região no Laboratório Central (Lacen), possibilitando manejo mais adequado e rápido dos diagnosticados da cidade

; Utilização do aplicativo ;DF contra Covid;, que permite a identificação de novos casos e acompanhamento por 14 dias por meio de aplicativo de celular para pacientes de Ceilândia e contatos próximos

; Ampliação de carga horária para 136 servidores lotados nos hospitais regionais de Ceilândia e de Brazlândia.
Antes, os profissionais trabalhavam 20 horas semanais, mas, agora, tiveram a carga horária aumentada para 40 horas. A medida contemplou 83 servidores do HRC e 53 do Hospital Regional de Brazlândia

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação