Nem tudo tá dominado

Nem tudo tá dominado

PLÁCIDO FERNANDES VIEIRA placidofernandes.df@dabr.com.br
postado em 10/05/2014 00:00

A pouco mais de um mês da Copa, o Brasil vive um suspense: os manifestantes que saíram às ruas em junho passado ; e surpreenderam o país ao cobrar uma inusitada pauta de reivindicações ; voltarão a protestar durante o Mundial de futebol? Por enquanto, essa interrogação continua um mistério. Os tumultos da última quinta-feira, que ocorreram simultaneamente em oito cidades, trazem a digital de velhos conhecidos do governo petista, como os sem-terra do MST e os sem-teto do MTST.

Resta saber se, nos próximos dias, prevalecerá o conhecido chapa-branquismo, e os dois movimentos se dobrarão à vontade dos petistas no poder; ou se falará mais alto o senso de oportunismo, e eles radicalizarão nos protestos para colher facilidades nas negociações diante de um governo cada vez mais enfranquecido perante a opinião pública.

Nas manifestações iniciais do ano passado, tudo começou com o Movimento Passe Livre, aliado de Fernando Haddad nas eleições para prefeito de São Paulo, cobrando redução nas tarifas de ônibus. Como num passe de mágica, uma multidão sem precedentes decidiu engrossar os protestos. Mas sem se amarrar a pautas específicas de um ou outro partido.

Quem se atraveu a levar bandeiras de partido ou sindicato ; militante de aluguel ou não ; foi convidado a se retirar das passeatas. Os políticos, de forma geral, a corrupção e os péssimos serviços públicos transformaram-se no foco principal das insatisfações. Ora, se o país era capaz de erguer megaestádios ultramodernos, conforme exigia a Fifa, por que não poderia fazer o mesmo com escolas, hospitais, estradas e transporte público?

A popularidade de Dilma desabou. O Congresso tremeu. Parecia que a Primavera Árabe havia chegado ao Brasil. A violência de black blocs e policiais, porém, afastou o povo das ruas. Agora, a 33 dias da Copa, quem aproveita o momento para chantagear o governo são velhos aliados do PT. Até servidores públicos, com reajustes garantidos, ameaçam paralisar a Esplanada. Pois é: a Copa promete grandes emoções dentro e fora dos gramados.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação