Clã com votos e problemas

Clã com votos e problemas

O ex-governador Roriz procura manter a influência política no Distrito Federal com as candidaturas da mulher, Weslian, e das filhas Jaqueline e Liliane. Mas os planos políticos esbarram na lei da Ficha Limpa. Jaqueline foi condenada por improbidade e pode ficar de fora da eleição

» ALMIRO MARCOS
postado em 12/07/2014 00:00
 (foto: Monique Renne/CB/D.A Press - 16/4/13)
(foto: Monique Renne/CB/D.A Press - 16/4/13)

Tido como um cabo eleitoral importante, Joaquim Roriz (PRTB) está afastado da disputa eleitoral desde 2010, quando abriu mão da candidatura em nome da mulher, Weslian, derrotada em segundo turno pelo atual governador, Agnelo Queiroz (PT). Mas, por determinação médica, o ex-governador, doente renal crônico, tem se mantido distante das principais articulações políticas. Ele aguarda na fila de transplante, que pode sair a qualquer momento. Há 10 dias, um órgão chegou a ser liberado para a cirurgia, mas não pôde ser aproveitado porque tinha sido retirado havia mais de 24 horas.

Em todas as articulações, Roriz tem sido representado pela mulher, Weslian, e pelas filhas Jaqueline e Liliane Roriz, que estão na política. O capital eleitoral do ex-governador, hoje aos 77 anos, é cobiçado por candidatos, apesar dos problemas judiciais e denúncias envolvendo integrantes da família.

Os Roriz decidiram apoiar José Roberto Arruda (PR) na tentativa de voltar ao governo, como forma indireta de retornar ao poder. O escolhido e a filha Jaqueline enfrentam o mesmo problema da campanha de Roriz há quatro anos, quando o ex-governador tentou voltar ao Palácio do Buriti: os impedimentos da Lei da Ficha Limpa. Eles devem passar a campanha, como Roriz, em embates nos tribunais para tentar fazer valer a candidatura.

A primeira a disputar uma eleição foi Jaqueline Roriz (hoje no PMN), em 2006, elegendo-se para a Câmara Legislativa. Quatro anos depois, ela buscou lugar na Câmara dos Deputados, onde foi eleita, e foi sucedida por Liliane Roriz (PRTB), que se elegeu distrital. O ano de 2010 também marcou a estreia de dona Weslian em um pleito. Ela substituiu o marido na disputa ao governo. Joaquim Roriz desistiu por temor de ser condenado posteriormente pela Lei da Ficha Limpa. Hoje, Liliane é a principal herdeira política do clã já que a irmã Jaqueline, considerada ficha suja, terá dificuldades para disputar as próximas eleições. Na situação atual, condenada pelo Tribunal de Justiça do DF, mesmo que consiga concorrer em outubro, Jaqueline ficará impedida de buscar a reeleição.

No início do ano, o grupo de Arruda começou a articular uma aproximação com a família Roriz. Os primeiros encontros tiveram a participação de Joaquim. No entanto, há cerca de dois meses, os médicos recomendaram que o patriarca se afastasse do núcleo das discussões para evitar desgastes à frágil saúde. A partir disso, aumentou a presença de dona Weslian e das filhas deputadas na condução do processo. Elas fecharam o acordo com os arrudistas, e Joaquim Roriz foi consultado na hora de bater o martelo.

Dona Weslian é candidata a 1; suplente de senador, enquanto Jaqueline e Liliane disputam a reeleição. A mulher de Roriz garante que só as três representam o ex-governador. ;Os herdeiros somos nós: eu e as minhas filhas;, resume. Os demais são vistos como parentes próximos ou distantes que usam o sobrenome e tentam capitalizar (veja quadro).

Os candidatos


Weslian Roriz
Cargo a disputar: 1; suplente de Senador
Partido: PRTB
Idade: 71 anos
Declaração de bens: R$ 659,5 milhões
Histórico: a mulher de Joaquim Roriz nasceu em Goiânia e tem três filhas com o ex-governador do DF (Wesliane, Jaqueline e Liliane). Apesar de ter acompanhado de perto a carreira do marido (vereador, prefeito interventor, deputado federal, vice-governador, governador e senador), somente em 2010 ingressou na carreira política. Filiada ao PSC, naquele ano, substituiu o marido na candidatura ao governo local às vésperas da disputa, pois ele temia ser barrado pela Lei da Ficha Limpa. Foi derrotada por Agnelo Queiroz (PT) no segundo turno, obtendo 31,5% dos votos válidos. Participou das articulações em torno do apoio a José Roberto Arruda nas eleições deste ano e a presença dela na chapa de Gim Argello confirmou o acordo depois da desistência da filha Liliane de ser vice de Arruda.


Jaqueline Roriz
Cargo a disputar: deputada federal
Partido: PMN
Idade: 51 anos
Declaração de bens: R$ 2,5 milhões
Histórico: nascida em Luziânia, a filha do meio de Joaquim e Weslian se elegeu distrital em 2006 pelo PSDB. Em 2010, disputou uma vaga na Câmara dos Deputados, já pelo PMN, tendo sido eleita com pouco mais de 100 mil votos ; a terceira mais votada. Foi filmada em 2006, com o marido, Manoel Neto, recebendo dinheiro de Durval Barbosa, supostamente para apoiar a candidatura de Arruda ao governo. Chegou a sofrer processo de cassação na Câmara, mas escapou por corporativismo dos colegas. Por essa filmagem, foi condenada por improbidade administrativa pelo TJDFT.


Liliane Roriz
Cargo a disputar: deputada distrital
Partido: PRTB
Idade: 48 anos
Declaração de bens: R$ 3,5 milhões
Histórico: a filha mais nova de Joaquim e Weslian nasceu em Luziânia. Cresceu acompanhando de perto os passos do pai na política goiana e brasiliense. Tomou gosto pelas articulações e pelas campanhas. Apesar disso, só entrou para o mundo político em 2010, concorrendo ao cargo de deputada distrital depois que a irmã Jaqueline tentou vaga na Câmara dos Deputados. Foi eleita pelo PRTB com quase 22 mil votos, tendo obtido a quinta maior votação. Na Casa, desde o primeiro dia, fez parte da oposição ao governo Agnelo Queiroz (PT). Durante o mandato, deixou o PRTB e foi para o PSD, voltando para o partido de origem. Em abril deste ano, quando a família fechou apoio a Arruda, foi indicada para ocupar a vaga de vice. Depois, desistiu e resolveu disputar a reeleição pelo partido do empresário Luiz Estevão, cassado em 2000 por desvios de recursos.


Paulo Roriz
Cargo a disputar: deputado distrital
Partido: PP
Idade: 55 anos
Declaração de bens: R$ 6,6 milhões
Histórico: nascido em Luziânia, é filho de Zequinha Roriz, o irmão mais próximo do ex-governador. Foi administrador regional de Santa Maria e secretário do Entorno no governo do tio. Depois disso, desentendeu-se com Joaquim e se distanciou do parente. Em 2006, filiado ao PFL, elegeu-se deputado distrital. No governo Arruda, atuou como secretário de Habitação. Tentou mandato na Câmara Legislativa em 2010 pelo DEM e ficou na primeira suplência. Foi convidado por Agnelo Queiroz para ocupar a Secretaria do Entorno. Em outubro de 2013, com a cassação de Raad Massouh (PPL), assumiu a titularidade na Câmara. Na Casa, começou a se aproximar da oposição ao governo petista. Filiou-se ao PP e foi um dos defensores para não fechar acordo com o grupo de Agnelo, principalmente depois de ter se reconciliado com o tio.


Michael Roriz
Cargo a disputar: deputado federal
Partido: PRTB
Idade: 30 anos
Declaração de bens: R$ 24,8 mil
Histórico: É parente distante de Joaquim Roriz, filho de um primo do ex-governador. Nasceu em Bras&

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação