Com economia fraca, crédito do BNDES cai 24%

Com economia fraca, crédito do BNDES cai 24%

postado em 15/05/2015 00:00

Rio de Janeiro ;
Refletindo o clima recessivo da economia, os desembolsos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para projetos de investimento tiveram queda de 24%, no primeiro trimestre, em relação ao mesmo período de 2014. No total, o banco de fomento liberou R$ 33,3 bilhões no período, ante mais de R$ 43 bilhões de janeiro a março do ano passado.

O baixo apetite dos empresários por criar ou ampliar negócios ficou estampado também no número de consultas encaminhadas ao banco ; o primeiro passo de uma companhia que pretende obter financiamento da instituição. Nos três primeiros meses deste ano, o indicador despencou 47%, atingindo R$ 25 bilhões. A aprovação de financiamentos, da mesma forma, apresentou queda significativa no período. Foram R$ 21 bilhões, 46% a menos do que no primeiro trimestre de 2014.

Em comunicado à imprensa, no entanto, o BNDES ressaltou que os dados do primeiro trimestre ;refletem, em parte, os ajustes da nova política operacional; adotada neste ano. Com o objetivo de reduzir o volume de subsídios embutidos nos financiamentos e diminuir os aportes do Tesouro, conforme determinação dos ministérios da Fazenda e do Planejamento, a instituição financeira passou a limitar a concessão de crédito com base na Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP). O encargo é, atualmente, de apenas 6% ao ano, ante 13,25% Selic, a taxa básica da economia, definida pelo Banco Central, que remunera grande parte dos investidores em títulos públicos federais.

;O banco vem reduzindo os níveis de participação máxima em TJLP nos seus financiamentos, abrindo mais espaço para a presença do mercado de capitais nos créditos de longo prazo;, afirma a nota. ;Outro fator foi a revisão das condições do Programa BNDES de Sustentação do Investimento (PSI). Embora permaneçam bastante competitivas, o aumento das taxas e a diminuição do nível máximo de participação do BNDES nos financiamentos afetou o desempenho do programa, conforme esperado;, acrescenta o comunicado.

Setores
Com R$ 11,7 bilhões liberados, a área de infraestrutura foi a que mais empréstimos recebeu do banco de janeiro a março. Em seguida, vêm os setores de indústria (R$ 10,4 bilhões), comércio e serviços (R$ 7,6 bilhões), e agropecuária (R$ 3,5 bilhões). De acordo com o BNDES, micro, pequenas e médias empresas responderam por 31% dos desembolsos do período, ou R$ 10,2 bilhões.



  • Salários devem ir para o site
    O Tribunal Regional Federal do Rio de Janeiro determinou que o BNDES divulgue, em seu site, todos os salários de diretores e demais funcionários com gratificações. De acordo com o Ministério Público Federal (MPF), autor da ação, o tribunal reformou a sentença da 22; Vara Federal, que, em outubro de 2014, negou a obrigatoriedade. Os desembargadores da 8; turma do TRF2 entenderam que a Lei de Acesso à Informação se aplica a toda empresa pública e sociedade de economia mista, não apenas à União, a estados, Distrito Federal e municípios. O banco pretende recorrer da decisão.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação