Prontos para a guerra

Prontos para a guerra

Militares da Marinha do Brasil estão em Formosa (GO) desde o último dia 7, em um treinamento que simula combates reais. Misséis, tanques, fuzis e mais de 2 mil homens compõem a cena. O objetivo da operação é o treinamento de fuzileiros novos e antigos

» Pedro Azevedo Silva Especial para o Correio
postado em 18/10/2016 00:00
 (foto: Ed Alves/CB/D.A Press)
(foto: Ed Alves/CB/D.A Press)

A maior operação da Marinha do Brasil no Planalto Central ocorre a cerca de 90km do Plano Piloto. A cena de guerra acontece, desde o dia 7 de outubro, em uma extensa área de cerrado, que percorre quase todo o leste do quadrado do Distrito Federal. São 2.364 fuzileiros navais simulando situações de combate, na Operação Formosa 2016. As atividades seguem até dia 21, quando os militares retornam à Base Aérea Naval de São Pedro da Aldeia, no Rio de Janeiro.


O objetivo da operação, de acordo com a Marinha do Brasil, é o treinamento de fuzileiros em formação e a atualização de veteranos, para que estejam preparados em caso de conflitos reais. Para isso, os militares simulam a tomada de uma praia dominada por tropas adversárias. Devido à extensão do território ; 58km de comprimento e 33km de largura ;, armamentos pesados e mísseis de longo alcance podem ser disparados pelos militares sem grandes preocupações.


O próprio transporte de tropas, armamentos, mantimentos, munições, alimentos e dos 179 veículos ; entre carros de combate, veículos blindados, drones, helicópteros e aviões ; faz parte do exercício militar. Foram necessários quatro dias para que se deslocassem pelos 1.625km que separam São Pedro da Aldeia/RJ do município goiano de Formosa. Lá, existe um campo de treinamento do Exército, onde, desde 2008, a Marinha realiza, anualmente, a operação. Os gastos para organizar a simulação não foram informados.


Embora nunca tenha utilizado os conhecimentos em uma guerra real, o comandante do Esquadrão de Caças da Marinha, capitão de fragata Alexandre Tonini, acredita que os militares devem estar preparados para agir a qualquer instante. ;Treinamos para evitar que exista o combate. Quanto mais preparadas as nossas tropas, menor a possibilidade de um inimigo externo tentar algo contra o país;, disse.


O ministro da Defesa, Raul Jungmann, visitou ontem a operação e, na opinião dele, treinamentos como o de Formosa se justificam por capacitarem as tropas a proteger as fronteiras brasileiras. ;Não temos guerra, mas temos 8,5 milhões de km;, 4,5 milhões de km; de águas jurisdicionais e estruturas estratégicas para defender, especialmente, o pré-sal. Evidentemente que nós torcemos que não seja necessário, mas um país pacífico não é um país passivo e tampouco desarmado, porque, se assim for, seguramente será, além de pacífico, um país dominado;, afirmou.


Eventualmente, os fuzileiros também podem agir para em eleições, manifestações e calamidades. ;No Haiti, após o furacão Matthew, os fuzileiros foram decisivos para abrir estradas e permitir que chegassem mantimentos, socorro médico, alimento e água a populações que estavam isoladas;, relatou Jungmann.

Para o capitão de fragata e fuzileiro naval Francisco Andrade, o treinamento auxilia o militar a respeitar o uso proporcional de força. ;Aprende-se a utilizar o fuzil de modo que não ofereça riscos em controle de distúrbios, como em grandes eventos ou manifestações hostis;, disse.




Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação