Taguacenter em verde e amarelo

Taguacenter em verde e amarelo

Um dos mais tradicionais comércios populares do Distrito Federal entra no clima do Mundial e espalha as cores da Seleção pelas ruas. Comerciantes não escondem a expectativa de lucrar alto com a venda de produtos relacionados à competição

» MATHEUS TEIXEIRA
postado em 10/05/2014 00:00
 (foto: Antonio Cunha/CB/D.A Press)
(foto: Antonio Cunha/CB/D.A Press)

A cada quatro anos, o Taguacenter ganha outra cara. Sempre que a Copa do Mundo se aproxima, um dos mais tradicionais comércios populares do Distrito Federal é enfeitado com as cores do país para apoiar a Seleção. E esse ano não foi diferente. Todo pintado de verde e amarelo, com bandeirolas do Brasil penduradas nas lojas e vendedoras uniformizadas com a camiseta canarinho, o comércio está no clima do Mundial e espera lucrar mais do que em qualquer outro ano.
Situado na QNG de Taguatinga, no quadradão formado entre o Edifício Taguacenter e o Mercado Norte, o comércio é um dos mais movimentados do DF. Apesar de as vendas ainda não estarem a todo vapor, os lojistas se animaram com o aumento na procura por artigos para torcedores após a divulgação da lista de convocados do técnico Luiz Felipe Scolari. ;No dia seguinte à convocação, várias pessoas vieram aqui atrás de bugigangas decorativas. Os produtos relacionados ao torneio serão cada vez mais procurados;, acredita a gerente de uma loja de artigos para festas, Marla Moura, 35 anos.


Ela conta que, geralmente, a época de Copa é a mais lucrativa do ano. ;A competição aquece a economia. Todo mundo se mobiliza, vira torcedor;, diz. Como esta edição será realizada no Brasil, ela espera vender muito mais. ;Não é toda vez que sediamos o principal evento esportivo do mundo. Temos que valorizar isso e fazer o maior Mundial da história;, exalta. Por ser no mesmo período das festas juninas, ela preparou produtos que contemplam as duas datas. ;Produzimos bandeirinhas iguais às de são-joão, mas com as cores dos 32 países que participarão da competição. Vendemos a maioria, só restam as de sete nações;, comemora.

A estudante Paula Júnia, 23 anos, é uma das que estão mais empolgadas com a Copa do Mundo. Ela conta que nunca decorou a residência por causa do torneio. Desta vez, porém, como o campeonato será no Brasil, decidiu enfeitar toda a casa. ;Comprei de tudo, até no carro vou colar adesivo verde e amarelo;, diz. Após ver a convocação na última quarta-feira, ela percebeu que o Mundial está chegando e decidiu ir às lojas para espalhar as cores do país em seus pertences. ;Agora, só falta esperar os jogos e torcer para sermos hexa.;


Mascote
O ponto fraco das vendas, porém, fica por conta da mascote da Copa, o Fuleco. O proprietário de uma loja de ursos de pelúcia, Paulo Braga, 68 anos, comprou muitos dele esperando que fossem um sucesso. Nas prateleiras da loja, há dois meses, poucos foram vendidos. ;Não sei o que está acontecendo. Vi pouca gente interessada nele;, afirma. As bolas de pelúcia verde e amarela, no entanto, não param de sair. ;Para mim, isso demonstra que o problema está com o Fuleco. Escolheram a mascote errada;, avalia.

No Taguacenter, até as lojas que não vendem produtos relacionados ao torneio entram no clima. Uma farmácia pôs várias bandeiras e espalhou faixas verdes e amarelas pelo estabelecimento. A gerente do local, Fernanda Silva, 38 anos, explica que eles têm o costume de enfeitar a drogaria no mês do campeonato, mas este ano fizeram a decoração meses antes porque a Copa será aqui. ;Temos que exaltar o evento e começar a vivê-lo;, explica. Fernanda conta que os funcionários estão empolgados e que os clientes também entraram no clima quando entram na farmácia. ;Daqui a pouco, tudo vai estar colorido. Apesar das manifestações, na hora da decisão, a torcida vai empurrar a equipe para a vitória;, espera.

As vendedoras Aline Alves, 33 anos, e Adriana Ferreira, 31, torcem para que o Brasil conquiste o hexa, mas acreditam que o título é secundário. Elas querem mesmo é curtir a Fan Fest, festa organizada pela Fifa, que ocorrerá no Taguaparque. ;Será muito legal quando os estrangeiros estiverem aqui. Vão ficar encantados com a beleza do nosso país e da nossa cidade;, acredita Aline. Desde o começo de maio, elas trabalham com a camisa da Seleção. ;Quanto mais vendemos, mais gente atrás de produtos relacionados à Copa aparece. Depois que saiu a convocação, o pessoal ficou confiante e se deu conta de que falta pouco tempo para o Mundial;, completou.



Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação