Uma onça ronda o Zoológico

Uma onça ronda o Zoológico

Local de conservação de fauna e flora, por segurança, é fechado, mas, segundo policiais ambientais, não há riscos para a população. O parque será reaberto hoje, porém as buscas pelo bicho seguiram noite adentro

THAÍS PARANHOS MANOELA ALCÂNTARA RENATO ALVES
postado em 17/05/2014 00:00
 (foto: Oswaldo Reis/Esp. CB/D.A Press)
(foto: Oswaldo Reis/Esp. CB/D.A Press)

O Jardim Zoológico de Brasília precisou ser fechado, na tarde de ontem, após a direção ser alertada por um visitante sobre a presença de uma onça selvagem. O animal tentou entrar no parque, mas foi impedido pelas grades que circundam parte dele. No momento, havia três ônibus com estudantes em passeio no local. Identificado como uma suçuarana, o animal estava no Santuário de Vida Silvestre, ao lado da Candangolândia e do balão do aeroporto. Homens do Batalhão da Polícia Militar Ambiental (BPMA) e veterinários fizeram uma busca para impedir a aproximação da onça aos recintos dos bichos do zoo, à área de visitação e às casas vizinhas.


A onça não pertence ao cartel do zoológico, que tem três exemplares da espécie. Todos estavam nas jaulas no momento do alerta. Cercas protegem o local em três dos seus quatro perímetros. Na parte virada para o aeroporto, fica o Santuário, reserva ambiental onde vivem livres animais de pequeno e médio porte, como capivaras, tamanduás e macacos. A área verde pertence ao parque, mas é restrita a funcionários, a pesquisadores e aos homens do BPMA, com sede vizinha a ela.


A ordem para fechar a bilheteria do zoológico ontem veio por volta das 15h. Funcionários avisaram os visitantes sobre um animal solto. Pediram a eles para se afastarem do local próximo ao Lago Paranoá, vizinho ao santuário. ;Eu ouvi as pessoas comentando que havia uma onça solta. Não houve nenhum tipo de alarde. Os funcionários apenas pediram para sair de uma determinada área;, contou Albanita Gonçalves de Menezes, 56 anos. A visita dela marcava a primeira vez em que levava a neta ao zoológico.


Três ônibus escolares estavam estacionados no perímetro considerado de risco pelos policiais ambientais. Eles conversaram com os motoristas e solicitaram a remoção para um outro local. ;Não podia ficar na área de baixo. Fui pego de surpresa, não tinha certeza do que estava acontecendo. Fizemos de tudo para não provocar nenhum tipo de alarde entre as crianças;, afirmou o motorista Ailton Sampaio. Mesmo após o aviso, as crianças continuaram o passeio e só saíram do zoo às 17h.

Habitat
Doze policiais, em três carros, trabalharam na busca do animal. ;Nós acreditamos que a onça bateu na cerca e, por isso, não conseguiu entrar. A área do santuário tem mata fechada, córrego. Pode ser o habitat dela. Esperamos que o animal tenha retornado para lá;, comentou o 1; tenente Cristiano Rocha, do BPMA, comandante da operação. Para garantir a segurança das casas vizinhas e do parque, ele optou por manter viaturas nas proximidades durante toda a noite de ontem.


Apesar do susto, a assessoria de imprensa do Jardim Zoológico de Brasília garantiu que a estrutura do local possui toda segurança aos visitantes, por isso, o ambiente manterá as portas abertas hoje. A espécie, também conhecida como onça-parda, pode pesar até 120kg e percorrer 50km em um dia à procura de alimento ; que, aliás, pode ter sido o motivo da proximidade do animal, já que, com o começo da seca, a alimentação para esse tipo de predador também fica escassa. Há dois anos, um animal idêntico foi visto passeando pelo estacionamento externo do Superior Tribunal de Justiça (veja Memória).

Memória

Abril de 2012
As câmeras de vigilância do Superior Tribunal de Justiça (STJ) flagraram uma onça-parda no estacionamento. O animal passeou perto dos carros parados e chegou a deitar no asfalto. Depois, saiu pela mata próxima ao estacionamento. O Zoológico de Brasília chegou a divulgar que a onça pesava 40kg. Agentes da Polícia Ambiental, biólogos e veterinários tentaram capturá-la, mas não conseguiram.

Julho de 2010
Uma onça invadiu uma casa na QL 22 do Lago Sul. Por volta das 11h, a Polícia Militar recebeu um chamado para ir até o local. Quando chegaram à residência, encontraram o animal dentro de uma churrasqueira. Enquanto os agentes se organizavam para capturá-la, a onça fugiu em direção a uma área de proteção ambiental.

Março de 2003
Um tratador do Zoológico de Brasília morreu após ser atacado pela tigresa Hany. Lotado no setor de animais perigosos, Edson Nunes dos Santos, 29 anos, alimentava os filhotes dos felinos, quando foi atacado pelas costas. O animal teria escapado de uma das jaulas e foi surpreendido Santos. Ele sofreu cortes profundos nas costas e na região do pescoço e não resistiu aos ferimentos. Em 1992, a tigresa Hany tinha agredido outro funcionário do Zoo.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação