Moise Safra, 79 anos, é enterrado em São Paulo

Moise Safra, 79 anos, é enterrado em São Paulo

» ROSANA HESSEL
postado em 16/06/2014 00:00
 (foto: Patricia Stavis/Folhapress)
(foto: Patricia Stavis/Folhapress)


Foi enterrado ontem no cemitério israelita do Butantã, Zona Oeste de São Paulo, o empresário libanês Moise Yacoub Safra, 79 anos, um dos três fundadores do Banco Safra, a oitava maior instituição financeira do país, com R$ 131,8 bilhões em ativos, segundo o Banco Central.

Vítima de mal de Parkinson, Moise estava internado no Hospital Israelita Albert Einsten e morreu após um ataque cardíaco na última sexta-feira, informou a agência Reuters. O banqueiro era um dos homens mais ricos do Brasil, com uma fortuna estimada ano em torno de US$ 2,5 bilhões, conforme dados deste ano da revista Forbes.

Ao lado dos irmãos Joseph e Edmond, Moise fundou o Banco Safra, em 1955. O banqueiro deixa a esposa, Chella Cohen Safra, e cinco filhos, Esther, Olga, Jacob, Azuri e Edmond.

O consultor Roberto Luis Troster, ex-economista da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), lamentou a morte do empresário. ;Moise era um gentleman no trato com as pessoas. Muito polido e educado. O Banco Safra foi uma escola para muita gente do mercado;, disse.

Filho do empresário libanês Jacob Safra, cuja família fundou, em Alepo, na Síria, o Safra Fr;res & Cie, instituição financeira para empréstimos e operações de câmbio e ouro, Moise tinha cinco irmãos além de Edmond e de Joseph.

O mais velho, Edmond, morreu em dezembro de 1999, em um incêndio criminoso em sua casa em Monte Carlo, na Europa. Ele era considerado um dos mais proeminentes banqueiros privados do século 20 e sua morte desencadeou uma briga pela divisão da herança da família entre Moise e Joseph, que registra uma fortuna avaliada em US$ 16 bilhões, o que o coloca como o segundo homem mais rico do Brasil.

Disputas

Em meio aos impasses, os dois irmãos criaram, em 2004, o J. Safra. Dois anos mais tarde, Joseph pagou US$ 2,5 bilhões por 50% da participação de Moise no Banco Safra, pondo fim às disputas sobre a direção da instituição financeira.

Moise continuou tocando seus negócios por meio da empresa de gestão de recursos M. Safra & Co nas cidades de São Paulo e de Nova York. A firma foi aberta em 1998. Apesar de ser avesso à mídia, em 2013, ele voltou ao noticiário ao comprar, em parceria com a bilionária chinesa Zhang Xin, 40% de um edifício da General Motors, em Nova York. O imóvel foi avaliado em US$ 3,4 bilhões, mas os empresários teriam pago cerca de US$ 700 milhões, excluindo as dívidas. Um ano antes, o banqueiro adquiriu o prédio comercial Plantantion Place, em Londres, por cerca de R$ 1,5 bilhão.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação