Candidatos ao GDF baixam o tom

Candidatos ao GDF baixam o tom

Pesquisa indica que 7% do eleitorado do DF, o correspondente a 125 mil pessoas, não sabe em quem votar para governador no domingo. Campanhas de Frejat e de Rollemberg rebatem argumentos usados por aqueles que continuam sem candidato

ISA STACCIARINI
postado em 24/10/2014 00:00
 (foto: Breno Fortes/CB/D.A Press

)
(foto: Breno Fortes/CB/D.A Press )


A dois dias do segundo turno, uma parcela significativa dos brasilienses ainda não definiu em quem votar para governador. Divulgada ontem, a mais nova pesquisa Datafolha indica a existência de 7% de indecisos no eleitorado da capital, dois pontos percentuais abaixo do índice de 9% registrado pelo levantamento do Ibope, em 21 de outubro. São aproximadamente 125 mil pessoas sem uma definição para a eleição de domingo. Quem ainda não se decidiu entre as candidaturas de Rodrigo Rollemberg (PSB) e Jofran Frejat (PR) elenca razões para o impasse. Alguns cidadãos não se identificam com as propostas apresentadas ou são céticos em relação ao cumprimento das promessas de campanha. Outros reclamam da virulência dos ataques trocados pelos candidatos ao Buriti e se ressentem da falta de uma discussão mais aprofundada acerca das ideias para a gestão pública.



Diante do acirramento da concorrência entre Frejat e Rollemberg na reta final da corrida sucessória, a diferença de votos capaz de consagrar a vitória de um ou de outro candidato no domingo pode ser menor que a proporção de indecisos estimada nas pesquisas. A fim de entender as razões para a indefinição pessoal dessa fatia dos eleitores, o Correio percorreu quatro regiões administrativas na manhã de ontem ; Ceilândia, Taguatinga, Guará e Sudoeste ; e ouviu moradores que ainda não sabem em quem votar para governador.

Na Feira Central de Ceilândia a vendedora Eliziane Pereira, 20 anos, reconhece que ainda não escolheu o candidato a suceder Agnelo Queiroz no Palácio do Buriti em janeiro. Para a jovem moradora de Ceilândia Sul, faltam propostas. ;Um político só fica falando mal do outro na televisão, e os dois se esquecem de focar neles mesmos. A gente não está vendo proposta e nem sequer sabe direito o que querem mudar em Brasília;, avalia.


Em outra banca, Marcos Mota, 27 anos, também alimenta dúvidas. Ele reclama da suposta proximidade de Rollemberg com o governador Agnelo e não crê na viabilidade da passagem de ônibus a R$ 1, proposta por Frejat. ;A gente não sabe se, no fim, deixa o mesmo governo no poder, pois não tem certeza se Rollemberg está com Agnelo. Também penso se o IPVA vai aumentar por causa da tarifa de R$ 1. De onde ele (Frejat) vai tirar o dinheiro para o resto da passagem?;, questiona o comerciante.

Quem chegar ao domingo sem se definir por Rollemberg ou Frejat poderá optar por votar nulo ou em branco. No primeiro turno, o Tribunal Regional Eleitoral (TRE-DF) registrou 61.807 votos brancos (3,69%) e 80.830 nulos (4,83%). O pesquisador da Universidade de Brasília (UnB) e doutor em ciência política Leandro Rodrigues lembra que, no segundo turno, a escolha pelo voto nulo ou branco pode ser resultado de repulsa ao sistema político-eleitoral, rejeição aos candidatos ou indecisão.

Entre os que ainda não tomaram um rumo na disputa podem estar os eleitores do governador Agnelo Queiroz (PT) e de Toninho do PSol, que pregam neutralidade no segundo turno. Juntos, esses eleitores somam R$ 350 mil votos. ;No caso da indefinição, o eleitor pode concluir que não vale a pena decidir e, por isso, prefere anular ou votar em branco. Por outro lado, recorrer a essas opções pode ser por uma revolta diante de todo o sistema. Há também possibilidade de o voto branco ou nulo ser uma escolha extremamente consciente da pessoa que não quer declarar apoio a nenhum dos candidatos;, detalha o especialista.

Promessas vagas
Na Praça do Relógio, em Taguatinga, o artesão Paulo Eduardo de Santana, 45 anos, também admite não ter candidato para governador. Na sua avaliação, a dúvida é maior porque, segundo ele,os concorrentes não inspiram confiança.

Morador do Setor P.Sul, em Ceilândia, Paulo qualilfica as promessas como vagas. ;O que vejo é um candidato tentando mostrar mais do que o outro, mas a gente fica questionando se eles vão dar conta de cumprir tudo;, observa.

Morador do Guará I, Carlos Augusto Maciel, 50 anos, é outro eleitor a alegar desconfiança. Para o socorrista, os candidatos estão mais preocupados em atacar um ao outro. ;A gente não sabe quem eles são e o que demonstram, pois só estão preocupados em difamar o adversário;, afirma.

No Sudoeste, a contadora Irisneide Aquino Souza, 57 anos, também se diz indecisa e acredita haver excesso de ataques entre os candidatos. ;Eles só trocam acusações;, reclama.



DATAFOLHA CONFIRMA FAVORITISMO DE ROLLEMBERG

A mais nova pesquisa realizada pelo instituto Datafolha mostra Rodrigo Rollemberg (PSB) à frente na corrida pelo Palácio do Buriti. O socialista aparece com 57% das intenções de votos, contra 43% de Jofran Frejat (PR), sendo considerados apenas os votos válidos. Se forem contabilizados brancos e nulos (10%) e eleitores indecisos (7%), Rollemberg aparece com 47%, com Frejat somando 36%. Divulgado ontem, o levantamento entrevistou 1.212 eleitores de todo o DF nos dias 22 e 23 de outubro. A margem de erro é de três pontos percentuais, para mais ou para menos.


57%
Intenções de voto em Rollemberg, considerados apenas os votos válidos

43%

Intenções de voto em Frejat, também segundo o levantamento do Datafolha

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação