ARI CUNHA

ARI CUNHA

Desde 1960 Visto, lido e ouvido aricunha@dabr.com.br com Circe Cunha / circecunha.df@dabr.com.br

postado em 13/11/2015 00:00




Corrupção
ameaça o futuro


Pensar o amanhã talvez seja uma das mais importantes tarefas do estadista, principalmente quando se trata de projetar caminhos e soluções viáveis para milhões de indivíduos. O comprometimento do cotidiano com questões como corrupção e ineficiência do governo ; itens que reformas sérias do Estado poderiam debelar com certa facilidade ; adiam, sine die, qualquer chance de melhora nos diversos indicadores do país, lançando nuvem de incertezas sobre a própria viabilidade do Brasil.

Como sempre acontece, serão os mais jovens que sentirão na pele os efeitos do desleixo com o nosso dia a dia. O índice Youthoconomis, englobando 59 indicadores levantados pela Unesco, pela OCDE e pelo Banco Mundial, referentes a saúde, acesso ao emprego, oportunidades de educação, participação política, otimismo entre outros, aponta que o Brasil está entre os cinco piores colocados, em um universo de 64 países. Nesse ranking, o Brasil fica na 63; posição no quesito perspectiva para jovens com menos de 25 anos. A questão fica pior quando se trata de finanças públicas. Nesse item ficamos em último lugar.

Em recente entrevista, o ex-ministro do Supremo Joaquim Barbosa afirmou que a tolerância à corrupção pode causar danos aos investidores e, de um modo geral, levar à disparada dos preços ; isso em se tratando apenas do presente. Com relação ao dia de amanhã, os efeitos são simplesmente imprevisíveis.

No nosso dia a dia, a Operação Lava-Jato tem levantado que, só na Petrobras, as 27 empresas envolvidas no escândalo provocaram prejuízos que podem chegar a R$ 42,8 bilhões, numa primeira estimativa. Tal volume de recursos desviados certamente comprometerá futuro viável não só para a estatal, mas para toda a sociedade, principalmente os mais jovens que herdarão passivo gigantesco. Na crise atual, de dimensões bíblicas, ficam, por falta de medidas mais sérias, valendo quaisquer propostas, desde que sejam para salvar o governo em primeiro lugar.

Na ânsia de fazer caixa, vale repatriar, inclusive, dinheiro proveniente de crimes como sonegação fiscal, evasão de divisas, falsidade ideológica, falsificação de documento, sonegação, descaminho, lavagem de dinheiro. No vale-tudo em que se transformou a atual administração do país, é analisado também o retorno dos cassinos e a liberação das casas de jogos de azar.

Apenas nos últimos dois anos, o Brasil perdeu 18 posições no ranking das economias mais competitivas do mundo, ficando na 75; posição entre 140 países. O diagnóstico contido no relatório do Fórum Econômico Mundial resume o caso: ;A crise econômica e política que se deteriora desde 2014, associada a fatores estruturais e sistêmicos como sistema regulatório e tributário inadequados, infraestrutura deficiente, educação de baixa qualidade e baixa produtividade, resultam em uma economia frágil e incapaz de promover avanços na competitividade interna e internacional;.

Quando a questão é percepção da corrupção entre políticos e autoridades, ficamos na 72; posição entre 180 países, segundo a Transparência Internacional. De ranking em ranking, vamos descendo os degraus que nos afastam das nações sérias e, mais e mais, comprometendo o futuro de milhões de jovens brasileiros.


A frase que não foi pronunciada

;Se o interesse coletivo fosse prioridade para a Carta Magna, o governo do PT estaria bem longe do poder.;

Ulysses Guimarães, admirado com o crescimento da corrupção


Fantasma


; Marcos Linhares, presidente do Sindicato dos Escritores do DF, publicou anúncio procurando Vera Carvalho. A senhora é responsável pelos registros de direito autoral em Brasília, da Fundação Biblioteca Nacional. Nem a Tânia Pacheco, da Coordenação-Geral de Planejamento do órgão no Rio de Janeiro, tem notícias, mostra o anúncio. Enquanto isso, autores e compositores de Brasília deixam de registrar a produção. O fim da Biblioteca Conceição Moreira Salles é irresponsabilidade e desatenção com os
nossos intelectuais.

OMS

; Regulamentada a publicidade de produtos que interferem na amamentação. Chupetas, mamadeiras e leites artificiais são proibidos em comerciais. A grande preocupação é com a desnutrição e a imunidade do lactente, que não encontra no leite comercializado a mesma fórmula do materno. Pelo relatório da Organização Mundial da Saúde (OMS), a orientação é que até o sexto mês o bebê só se alimente de leite materno e que seja amamentado por até 2 anos.

ONU

; Ainda sobre amamentação, o ministro da Saúde, Marcelo Castro, disse que mães e pais devem ser orientados sobre a importância do aleitamento para a saúde dos filhos. Cerca de 6 milhões de crianças são salvas em todo o mundo com o aumento das taxas de amamentação, segundo a Organização das Nações Unidas. Estamos salvando vidas ao orientar, proteger e incentivar o aleitamento materno;, destaca o ministro.

Pátria Educadora?

; Causou preocupação a apresentação do Anuário Brasileiro da Educação Básica de 2015 na reunião da Comissão de Educação da Câmara dos Deputados. Os dados são alarmantes. Segundo Priscila Cruz, diretora executiva da entidade da sociedade civil Todos pela Educação, mais da metade das crianças permanecem analfabetas ao fim do 3; ano do ensino fundamental.


História de Brasília

A presença de força foi dada pelo Ministério da Guerra,
que pôs dois carros de assalto sobre a calçada do Bloco 3, e a Guarda Presidencial ficou de prontidão absoluta. (Publicado em 26/8/1961)

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação