Cinco meses para sacar contas inativas

Cinco meses para sacar contas inativas

Governo divulga na terça-feira calendário de saque de contas inativas. Ministro-chefe da Casa Civil calcula que existam R$ 42 bilhões retidos

» Azelma Rodrigues Especial para o Correio
postado em 10/02/2017 00:00
 (foto: Rodrigo Nunes/Esp.CB/D.A Press - 29/4/16)
(foto: Rodrigo Nunes/Esp.CB/D.A Press - 29/4/16)


O governo prepara uma cerimônia no Palácio do Planalto para divulgar, na terça-feira, 14, o calendário de saques das contas inativas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). Os pagamentos deverão ocorrer entre março e o fim de julho. Com o cronograma, será divulgado de que forma os pagamentos serão feitos, obedecendo as datas de aniversário dos trabalhadores.

;A liberação do Fundo de Garantia, as contas inativas, é uma política social também. Temos R$ 42 bilhões retidos nessas contas;, comentou ontem o ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha. Ele discursou em evento que reuniu funcionários graduados da Caixa Econômica Federal em Brasília, logo após passagem do presidente Michel Temer pelo mesmo palco.

Padilha indicou que os saques poderão ter início em 14 de março. Mas a assessoria do banco, que é gestor do FGTS em nome da União, nada confirma sobre o assunto. Aliás, a Caixa nem sequer informa o volume correto de contas inativas do FGTS. Avisando apenas que não confere a previsão inicial de que 10,2 milhões de trabalhadores teriam direito ao saque. O número foi divulgado pela própria instituição, quando do anúncio da liberação do dinheiro em dezembro de 2016 pelo presidente Michel Temer.

Uma das regras já acertadas é: a possibilidade de saque nessa liberação atípica que o governo fará a quem tem conta de FGTS de contratos de trabalho desfeitos até 31 de dezembro de 2015.

Seguro

A conta inativa do fundo, que é considerado ;o seguro do trabalhador;, é aquela em que o empregado pede demissão ou é demitido por justa causa. O dinheiro fica na Caixa, rendendo cerca de 3% ao ano, mais a correção da Taxa Referencial (TR). Esse recurso só pode ser sacado três anos depois do afastamento, se a conta do FGTS não tiver recebido nenhum depósito nesse período.

É o caso de Nadia Oliveira, 39 anos, produtora cultural, que em 2008 pediu demissão e mudou-se de Brasília para Salvador. Como não trabalhou ou teve rendimento formal no período, sacou a conta inativa em 2011. ;Estava quase igualzinho o saldo;, disse, queixando-se da falta de rendimentos da conta. Retornou a Brasília em 2014, depois de passar oito meses numa empresa baiana naquele ano. Portanto, terá direito de sacar o resíduo agora.

O evento da Caixa, no qual Padilha fez um longo discurso sobre a conjuntura econômica do país, faz parte do treinamento que superintendentes e gerentes-gerais disseminarão entre os funcionários. ;A liberação ocorrerá, e vocês serão os grandes atores, agora no dia 14, os senhores vão começar a receber a demanda dos detentores das contas inativas. Você sabe como é que é, o sujeito pode ter um aplicativo no telefone, mas quer saber, de verdade, é do gerente;, comentou o ministro. ;Então ele vai lá pra saber como é que ele faz, quanto é que ele tem, mas saber do gerente. Isto é política social.;

A ideia do presidente da Caixa, Gilberto Occhi, de abrir agências nos fins de semana para dar vazão à grande demanda que se espera nos saques das inativas, ainda está em suspenso. De acordo com uma participante do encontro, agora, acredita-se que um prazo mais alongado pode ser suficiente para os saques.

Mesmo porque o governo não acredita que todo mundo que tem direito vai sacar os recursos. A Caixa vai criar canais exclusivos para evitar tumultos nas agências, que já são alvos de muita procura nesse sentido. O banco lembra que o trabalhador pode consultar se tem ou não saldo na conta inativa do FGTS por meio de sua página na internet, nos caixas eletrônicos do banco, com o Cartão Cidadão e senhas, ou por aplicativo virtual do FGTS.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação