Viajar é: fazer amigos

Viajar é: fazer amigos

Grupos de viagem que reúnem participantes da mesma idade são seguros, oferecem tratamento diferenciado que respeita os limites dos idosos, e conquista cada vez mais integrantes, que criam laços e sempre voltam

» Lucianna Rodrigues*
postado em 09/08/2017 00:00
 (foto: Fotos: Arquivo Pessoal)
(foto: Fotos: Arquivo Pessoal)


Roteiros programados, conforto, segurança e a possibilidade de conhecer novas pessoas e fazer novos amigos foi o que motivou a aposentada Eudócia Lopes, de 63 anos, a ingressar em grupos de viagem para a melhor idade. ;Nessas viagens, como tem um programa, é muito mais tranquilo. É uma forma de estar com pessoas conhecidas e também fazer novos amigos. Estamos assistidos a todo momento e, em caso de qualquer problema, temos a quem recorrer;, conta.

Eudócia fez diversas viagens em excursões para destinos como Argentina, Chile, Portugal, Espanha, França e conta que pretende realizar seu maior sonho no próximo ano; ;fui a muitos lugares, mas o meu sonho é conhecer a Itália. Estou programando participar de uma próxima excursão para lá, no ano que vem, e pretendo aproveitar para conhecer o Leste europeu;, diz, animada.



Para o aposentado Marco Túlio Oliveira, 68 anos, não existem pontos negativos em viajar em grupos ;É tudo muito bom. Desde o planejamento até a viagem. Os guias estão sempre preparados para nos atender e nas viagens internacionais todos falam português, o que facilita bastante. São momentos agradabilíssimos e uma ótima maneira de conhecer lugares e culturas novas. A organização é um fator essencial;, conta ele, que escolheu a Bélgica e a Holanda como destinos para viver essa experiência.

O sucesso de uma viagem depende de vários fatores. Entre eles, um dos mais importantes depende exclusivamente do viajante. É preciso tomar alguns cuidados antes de embarcar. Segundo o geriatra Rodrigo Junqueira, fazer uma avaliação do estado de saúde e atualizar as medicações e o cartão de vacinação é de extrema importância. ;Calcular a quantidade de medicação necessária para o período, sempre com margem para cima, e lembrar que, caso a viagem seja para outro país, deve-se consultar a legislação do destino, pois em alguns países não poderá ingressar com medicamentos na bagagem sem as receitas médicas;, alerta o médico.



Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação