Caos com adutora rompida

Caos com adutora rompida

Estrutura destruída na altura do Viaduto Israel Pinheiro deixou casas alagadas, assustou moradores de condomínio e congestionou a EPTG e as vias secundárias. Águas Claras, Vicente Pires, Taguatinga e Guará foram as cidades mais afetadas

» INGRID SOARES » PEDRO GRIGORI Especiais para o Correio
postado em 18/08/2017 00:00
 (foto: Breno Fortes/CB/D.A Press)
(foto: Breno Fortes/CB/D.A Press)



Em meio à mais rígida crise hídrica da história do Distrito Federal, o rompimento de uma adutora fez o excesso de água causar destruição e caos nas regiões próximas ao Viaduto Israel Pinheiro, na Estrada Parque Taguatinga (EPTG). A força da água, que jorrou das 5h às 6h50 de ontem, foi tão grande que pedaços da adutora caíram nas pistas ao redor da estrutura viária. Um rio de lama se formou e invadiu casas do Condomínio Village das Pedras, em frente ao ponto da ruptura. Em uma das residências, a analista de sistemas Vanessa Dantas, 33 anos, precisou quebrar a janela do quarto dos filhos para salvá-los.

Horas depois da tragédia, Vanessa, mais calma, relembrou os momentos de terror ao ser acordada pelo barulho da água. ;Quando saí da cama, escorreguei no chão molhado e caí;, conta. Ela percebeu que a casa estava alagada e gritou para que o marido socorresse os filhos, de 10 e 4 anos. ;Tinha muita terra na porta do quarto deles, o que impedia que entrássemos. A força da água partiu os vidros da frente, então, corri para a janela lateral, quebrei-a com o braço e os tirei de lá. Foi um desespero;, detalha. Além disso, quatro quartos e a sala ficaram inundados. ;Perdemos tudo o que estava no quarto dos meninos. Estão sem cama, sem material escolar, sem roupas;, conta.

O autônomo Alessandro Oliveira, 35, morador de uma chácara em frente à Estrada Parque Vicente Pires (EPVC), também teve a casa invadida pela água. Ele quebrou um muro da residência para o escoamento. ;Ouvi um barulho e achei que fosse chuva. Quando acordei e botei o pé no chão, a água estava na canela. Em um dos cantos, o nível chegou a 40cm;, conta. À tarde, a mulher dele, Eli Silva, 37, usou um rodo para tirar a lama. ;Perdemos a máquina de lavar, sofá, móveis, cama, guarda-roupa, geladeira.;

O presidente da Companhia de Saneamento Ambiental do DF (Caesb), Maurício Luduvice, informou que a estatal reembolsará todas as perdas causadas às vítimas do acidente. Ainda durante a manhã, equipes do órgão começaram a atuar nos reparos da tubulação e na limpeza das áreas atendidas. Para impedir que mais água fosse desperdiçada, os registros foram fechados até que a Caesb concluísse os reparos no local, o que ocorreu por volta das 18h. Partes de Taguatinga, do Guará e de Vicente Pires ficaram sem água. O abastecimento será normalizado hoje.

Falhas

A Caesb apura o motivo do rompimento na EPTG. A expectativa é de ter uma resposta em 30 dias. Apesar de ter sido construída na década de 1970, Luduvice garantiu que há manutenção.

Especialista em redes de abastecimento de água, o professor da Universidade de Brasília (UnB) Sérgio Koide explica que o racionamento pode ser uma das possibilidades para explicar o rompimento. ;Com o rodízio e para evitar problemas como o da adutora na EPTG, técnicos da Caesb reabrem as válvulas aos poucos, mantendo pontos de alívio de ar; por isso, o prazo de 48h após o racionamento para que o abastecimento seja normalizado;, diz.

Segundo Koide, há também a possibilidade de a adutora ter se rompido devido a um desmoronamento na fundação. É comum em áreas de erosão, de rios ou nascentes, como é o caso da EPTG (leia Para saber mais);, afirma.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação