Personalidade do tutor também influencia

Personalidade do tutor também influencia

postado em 27/05/2018 00:00
A personalidade do tutor e a quantidade de cachorros que ele tem em casa também podem influenciar na probabilidade de reações violentas dos bichanos. É o que mostra um estudo divulgado no Journal of Epidemiology and Community Health por pesquisadores do Instituto de Infecção e Saúde Global, no Reino Unido.

Eles entrevistaram 694 pessoas, moradoras de uma cidade no norte da Inglaterra, para saber quantas haviam sido mordidas por cachorros, se precisaram ser submetidas a tratamento, se conheciam o animal e se tinham algum em casa. Os pesquisadores também avaliaram a estabilidade emocional dos participantes, usando o teste Ten Item Personality Inventory (TIPI), a fim de identificar se aspectos da personalidade, como estabilidade emocional e neuroticismo, poderiam ter influenciado a situação.

Uma das conclusões a que chegaram foi a de que ter cachorros em casa aumenta em três vezes a chance de uma pessoa ser alvo de mordidas. No entanto, os tutores não são as principais vítimas: mais da metade (pouco menos de 55%) dos entrevistados disse ter sido atacada por um animal que não conhecia.

A equipe também identificou um elo entre os traços de personalidade das vítimas e o risco de serem atacadas. As pontuações do TIPI mostraram que, quanto mais emocionalmente estável e menos neurótico o indivíduo, menor o risco de ele ser mordido por um cão. Os autores destacam que o estudo é observacional, portanto, nenhuma conclusão firme pode ser tirada sobre causa e efeito entre esses fatores. Além disso, como consideraram um condado da Inglaterra, os resultados podem não ser aplicáveis em outros ambientes.

Ainda assim, segundo a pesquisadora Carri Westgarth, o trabalho traz dados importantes. ;É essencial que os fatores de risco assumidos em pesquisas anteriores sejam reavaliados, incluindo essas novas conclusões. Os esquemas de prevenção de mordidas de cães também podem precisar direcionar comportamentos específicos, por tipos de personalidade da vítima;, explica.

O adestrador Vilmar José destaca que a saúde do cão também é um ponto importante a ser analisado. ;Creio que as pesquisas poderiam focar mais em rastrear alguns desses casos de deslocamento de comportamento e identificar os que estão mais relacionados a problemas clínicos, como hipotireoidismo, comum em animais castrados;, ilustra. ;Outra questão importante são os níveis de cortisol no animal que mordeu um adulto ou uma criança. Na maioria dos vídeos de ataques que vejo, eles apresentam sinais claros de que estão muito estressados.; (VS)

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação