Jogo de imagens

Jogo de imagens

postado em 08/06/2018 00:00
 (foto: Reprodução/Internet)
(foto: Reprodução/Internet)

Por mais macabro que possa parecer é de comédia pastelão o tom adotado pelo diretor Armando Iannucci em A morte de Stalin. O ano é 1953 e o cenário, uma União Soviética em polvorosa pela morte de Josef Stalin, interpretado por Adrian McLoughlin.

A sátira política é a arma usada por Iannucci para criticar o comunismo, atacar as execuções, o abuso sexual e as prisões em massa. Tudo isso em meio a uma disputa quase bélica pela sucessão de Stalin. Chamou a atenção da crítica internacional a quantidade de detalhes (reais) sobre a morte do líder soviético ; o cadáver de Stalin numa poça de urina, por exemplo.

Além da sucessão, há outra discussão presente em A morte de Stalin. É a respeito da imagem que se quer passar do líder comunista e do regime soviético como um todo. Dessa forma, tudo importa: as cores das flores, a cortina, a posição do caixão no ságuão do velório.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação