Brasília-DF

Brasília-DF

por Denise Rothenburg » deniserothenburg.df@dabr.com.br
postado em 05/07/2018 00:00

O medo de ficar sozinho

A presidente do PT, Gleisi Hoffmann, e integrantes da cúpula petista passaram mais de três horas em reunião com a presidente do PCdoB, Luciana Santos, e outros dirigentes do partido tentando convencer os comunistas de que com ou sem Lula, o PT estará no segundo turno. Querem, com isso, dar aos aliados de Manuela D;Ávila a senha para que a legenda desista da candidatura presidencial da deputada gaúcha e apoie o partido de Lula, sem saber ainda quem será o candidato. O PCdoB não disse nem sim nem não.

Paralelamente, os petistas começaram os movimentos para abrir um canal de conversa com o governador de São Paulo, Márcio França. Trabalha-se o exercício ; considerado apenas um movimento sem muita firmeza ; de retirar a candidatura de Luiz Marinho ao governo e apoiar a reeleição de França. Tudo para ver se tira do PSB a tendência de fechar com Ciro Gomes (PDT). São as esquerdas que, assim como o centro, também buscam uma união.

A senha
Com a decisão do DEM de não financiar a campanha presidencial de seu candidato para reforçar a perspectiva de eleição de deputados e senadores, está dado o passe para que o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, possa anunciar nas próximas horas que não concorrerá à Presidência da República.


A hora mais escura
Pré-candidato do PSDB à Presidência da República, Geraldo Alckmin ouviu do bloco PP-DEM-SD que qualquer decisão sobre apoio ao tucano só depois da Copa da Rússia. Nada a ver com os jogos da Seleção. É que os partidos querem esperar, para poder ter mais confiança de que o ex-governador chega ao segundo turno. E, até agora, o tucano não passa essa firmeza a seus potenciais apoiadores. Começa a surgir uma certeza de que ele terá que tirar votos de Jair Bolsonaro para chegar lá, o que não aconteceu nessa pré-temporada.


Chapa pura
O secretário nacional de Relações Institucionais, Marcelo Barbieri (MDB) deixa o cargo hoje para poder ser candidato a vice na chapa de Paulo Skaf ao governo de São Paulo, se for necessário. O MDB, aliás, não está livre de lançar chapa pura em outras praças, porque, até aqui, há muita gente querendo distância do partido de Michel Temer.


Tem o que mostrar
Em entrevista ao programa CB.Poder, o ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República, Ronaldo Fonseca, foi incisivo ao dizer que o MDB deve manter a candidatura de Henrique Meirelles e, ao mesmo tempo, aproveitar o programa eleitoral para mostrar o portfólio de obras terminadas pelo governo Michel Temer. É a esperança de tentar melhorar a popularidade presidencial nesses seis meses que restam de mandato.

Mudou de patamar/ O deputado Jair Bolsonaro (PSL-RJ) foi o mais aplaudido no encontro da indústria. Aos poucos, vai modulando o discurso para aquilo que a plateia deseja ouvir, radical, da mesma forma que Ronaldo Caiado fazia em 1989, quando da sua candidatura presidencial como líder ruralista. Caiado não chegou ao segundo turno. Os grandes partidos ainda apostam que Bolsonaro não emplaca, mas hoje não estão mais no ponto de desconsiderá-lo como adversário.

Simples assim/ Presente no lançamento do livro do ex-deputado Marcelo Barbieri ontem na Câmara, o ministro da Casa Civil do governo Itamar Franco, Henrique Hargreaves, comentava que, certa vez, uma jornalista lhe perguntou: ;Se fosse no governo Itamar, como vocês resolveriam a greve dos caminhoneiros?;. A resposta dele foi direta: ;Não teríamos esse problema, porque não deixaríamos chegar naquele ponto;.

Por falar em Barbieri/ Foram mais de três horas com fila no lançamento do livro do ex-deputado, com representantes de todos os partidos. Eis que, ao ouvir esse comentário, o um parlamentar saiu-se com esta: ;Claro que seria assim. Ele é quem cuida da liberação das emendas!”.

E o Doria, hein?/ O ex-prefeito João Doria (foto) respondeu assim quando alguém lhe perguntou ontem sobre a nota publicada na coluna, sobre as reuniões que ele tem mantido com outros partidos e conversas sobre ;ser ungido; numa campanha presidencial: ;Sou candidato em SP, Focado em SP, e serei eleito em SP. Geraldo será eleito ao Planalto. Com o meu voto;.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação