Trump sugeriu muro no Saara

Trump sugeriu muro no Saara

postado em 21/09/2018 00:00
 (foto: Jose Colon/AFP - 22/3/14
)
(foto: Jose Colon/AFP - 22/3/14 )


Em sua cruzada contra a imigração, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, sugeriu recentemente à Espanha que construa um muro no deserto do Saara, para conter a chegada de refugiados africanos a Ceuta e Melilla, enclaves espanhóis na costa marroquina do Mar Mediterrâneo. ;Você tem ideia de quanto o Saara é grande?;, foi a resposta do chanceler Josep Borrell. Ele relatou o diálogo com Trump, em data ;recente;, durante um almoço de trabalho em Madri, na última terça-feira, segundo relatos publicados ontem na imprensa europeia e americana. Na próxima semana, o premiê Pedro Sánchez viajará aos EUA para participar das sessões de debates da Assembleia-Geral das Nações Unidas, em Nova York.

;Fechar os portos não é solução, como tampouco é solução construir um muro ao longo do Saara, como me sugeriu recentemente o presidente Trump;, contou Borrell durante o almoço. De acordo com o chanceler, que já foi presidente do Parlamento Europeu, quando questionado sobre as dimensões do deserto africano, o governante dos EUA teria respondido: ;Não pode ser maior do que a nossa fronteira com o México;. Borrell, segundo o próprio relato, deixou clara a rejeição à ideia do muro. ;Bem, o Saara é bem maior que a fronteira (dos EUA) com o México. E, de toda maneira, isso não seria muito útil.;

;Podemos confirmar que o presidente discutiu os desafios da imigração com interlocutores espanhóis, mas não temos o registro desse comentário específico;, disse um funcionário de alto escalão da Casa Branca para a tevê americana CNN. O projeto de erguer um muro ao longo de toda a fronteira com o México, para barrar a imigração ilegal, foi uma das principais promessas de Trump na campanha vitoriosa pela Casa Branca, em 2016. Ele teria 3.200km de extensão, a um custo estimado em US$ 20 bilhões. O Saara, que separa a costa norte africana do resto do continente, se estende por 4.800km, na direção leste-oeste.

A Espanha é hoje a principal porta de entrada na Europa para migrantes em situação irregular que fazem a travessia do Mediterrâneo. Desde o início do ano, a Organização Internacional para as Migrações (OMI, agência da ONU) contabilizou a entrada de 38 mil estrangeiros no país, por mar e por terra. Os enclaves de Ceuta e Melilla são protegidos por barreiras metálicas de 6m de altura, mas elas não são o bastante para impedir a infiltração de candidatos ao asilo.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação