Promessa de unidade

Promessa de unidade

Separados por menos de 30 mil votos, o advogado Luis Lacalle Pou e o engenheiro Daniel Martínez acenam com o diálogo, após a recontagem. Especialista atribui a recuperação do governista à migração de eleitores do Partido Comunista para a Frente Ampla

» RODRIGO CRAVEIRO
postado em 26/11/2019 00:00
 (foto: Eitan Abramovich/AFP)
(foto: Eitan Abramovich/AFP)


A recontagem das cédulas após um empate técnico nas eleições presidenciais do Uruguai começará hoje pela manhã e deverá se estender até sexta-feira. Com 100% das urnas contabilizadas na primeira apuração, o candidato opositor Luis Lacalle Pou (centro-direita) obteve 48,71% dos votos contra 47,51% para o governista Daniel Martínez, da Frente Ampla (esquerda). Apenas 28.666 votos separavam Lacalle Pou do adversário, que prometeu se engajar em um diálogo com o adversário, independentemente do resultado. ;Sempre respeitaremos a voz do povo. O correto é esperar os resultados da Corte Eleitoral. Sejam quais forem, existirá um diálogo com Luis Lacalle. Assim exige nossa rica tradição democrática. Quando se confirmar que ele é o eleito, irei pessoalmente saudá-lo;, escreveu o engenheiro Martínez em sua página no Twitter. Por sua vez, Lacalle Pou defendeu que ;o próximo governo não pode ser trocar uma metade pela outra;. ;Temos que unir a sociedade, temos que unir os uruguaios;, afirmou.

Segundo a agência de notícias France-Presse, a diferença de menos de 30 mil votos se mostrou inferior à dos chamados ;votos observados;, quando eleitores votam em circuitos que não correspondem a eles ou não aparecem no registro eleitoral ; neste caso, 35 mil cédulas. Apesar da surpreendente recuperação em relação às pesquisas, que davam vitória folgada para o rival e uma guinada da política uruguaia à direita, Martínez terá de obter 91% dos votos observados para se garantir como próximo presidente.





A tarefa, considerada quase impossível, não preocupa o governista, que comemorou o resultado ao lado de várias lideranças da Frente Ampla e foi criticado por se recusar a admitir a derrota. ;Há formas de aceitar os resultados. Formalmente saberemos em poucos dias. Lamentavelmente o candidato do governo não nos ligou nem reconheceu o resultado que, do nosso ponto de vista, é irreversível;, declarou Lacalle Pou. ;Além de governar um país, queremos ter uma sociedade de paz e uma sociedade unida;, acrescentou, ao recomendar cautela e paciência aos simpatizantes. Ele demonstrou irritação com uma mensagem que viralizou via WhatsApp. No texto, que utiliza sua assinatura, o autor afirma que ganhou a eleição e acusa Martínez de uma ;atitude menor e mesquinha;.;Lamentavelmente, alguém escreveu uma mensagem no WhatsApp e a assina com meu nome. Falei ontem e falarei novamente quando se confirmarem os resultados formais da Corte Eleitoral;, reagiu no Twitter.

Antonio Cardarello, doutor em ciência política e professor da Universidad de la Republica, explicou ao Correio que as pesquisas não puderam registrar ou publicar os movimentos dos últimos dias. ;Claramente, uma parte dos eleitores, em particular do Partido Comunista, se inclinaram nos momentos finais e votaram para Martínez;, avaliou. ;Os votos observados devem se comportar de maneira estranha para Martínez reverter o resultado. Ele precisará capturar mais de 90% dessa parcela, o que parece improvável;, acrescentou o estudioso.

Bolsonaro

O presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, confirmou presença na eventual posse de Luis Lacalle Pou. ;Só (não vou) se estiver morto. Se não estiver morto, irei na posse desse candidato que está na frente. O outro (Daniel Martínez), eu converso com ele. Ele não se manifestou como o da Argentina se manifestou;, afirmou, ao citar o presidente eleito argentino, Alberto Fernández. Em 28 de outubro, um dia depois do segundo turno das eleições no país vizinho, Bolsonaro se negou a felicitá-lo e disse que os argentinos ;escolheram mal;. Em agosto, o argentino classificou o brasileiro de ;misógino;, ;racista; e ;violento;.



Eu acho...
;A campanha voto a voto mobilizou a estrutura da Frente Ampla, o que confirma sua força enquanto partido. Podem ter causado impacto as declarações de Manini Rios, do partido Cabildo Abierto; o voto dos uruguaios que vivem no exterior e que não são registrados pelas pesquisas. A explicação é multicausal.;

Antonio Cardarello,
doutor em ciência política e professor da Universidadde la Republica

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação