A cidade precisa mudar

A cidade precisa mudar

Diego Ponce de Leon
postado em 13/11/2014 00:00
 (foto: Zuleika de Souza/CB/D.A Press - 10/3/14)
(foto: Zuleika de Souza/CB/D.A Press - 10/3/14)


Ricardo Pipo viu de perto os grandes movimentos e espaços culturais dos anos 1980 e 1990. Jogo de Cena, O último rango, Galpão, Galpãozinho, Escola Parque; Participou de alguns deles, inclusive. Apesar das duas décadas de carreira e das boas lembranças, o comediante costuma focar no presente. E há muita coisa a ser feita.

No que diz respeito à Cia. Melhores do Mundo, o ator acredita que o melhor caminho seja investir no áudiovisual. ;O cinema deve ser nosso próximo passo. Temos apenas três registros de espetáculos. É pouco.; O teatro permanece entre os interesses do grupo, claro, mas talvez não mais como prioridade. ;No teatro, chegamos ao teto. Não há muito mais o que aprontar. Queremos buscar novas linguagens, outros caminhos;, revelou.

Quanto ao cenário brasiliense, as críticas são muitas. Segundo Pipo, as coisas não andam bem para quem vive de arte por aqui. A começar pelos espaços cultuais. ;Teatro Nacional fechado. Reforma nem deu sinal ainda. Espaço Renato Russo fechado. Não há lugar para apresentação. Parte do que resta está abandonada;, lamenta.

A própria movimentação cultural, de acordo com o humorista, tomou outros rumos, nada convidativos. ;A tal da lei do silêncio é um exagero. Alguém começa a tocar violão pelas ruas e já chamam a polícia.; O panorama das artes cênicas, em particular, também esbarra em algumas ressalvas. ;O erro é a universidade. Formamos apenas atores. E só com atores não se faz espetáculo.;

Para exemplificar, ele comenta sobre a ausência de novos iluminadores, cenógrafos, diretores, dramaturgos. E aproveita para fazer um apelo: ;Não temos uma formação que acompanha o panorama atual. Precisamos de pessoas que compreendam a linguagem digital, que saibam esboçar um release, que possam tirar proveito do YouTube, por exemplo;.

Apesar dos pesares, Pipo não questiona o potencial de Brasília em exportar grandes talentos. ;Outro dia, fiquei impressionado com o palhaço interpretado por Gustavo Reinecken. Sensacional. O talento por aqui é embrionário.; Embora esteja sempre em cartaz e, portanto, impedido de acompanhar parte da programação da capital federal, Pipo sabe que as adversidades não conseguiram esmorecer a classe. ;O número de bons artistas só aumentou. As dificuldades são muitas, mas habilidade e força de vontade não faltam.;

www.correiobraziliense.com.br
Assista a vídeos da Cia. Melhores do Mundo.




Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação