Adeus, ano velho

Adeus, ano velho

Vitória sobre a Áustria encerra a pior temporada da história verde-amarela. Gol de Firmino garante o sexto triunfo seguido sob a batuta de Dunga, mas não deleta a humilhação, em casa, na Copa do Mundo

postado em 19/11/2014 00:00
 (foto: Leonhard Foeger/Reuters)
(foto: Leonhard Foeger/Reuters)




Viena ; A despedida foi longe de encher os olhos, mas a Seleção Brasileira fechou o ano de 2014 com vitória por 2 x 1 sobre a Áustria, somando seu sexto triunfo seguido em amistosos depois do fracasso na Copa do Mundo. David Luiz abriu o placar de cabeça aos 18 minutos do segundo tempo e Dragovic empatou de pênalti, aos 29, acabando com a invencibilidade da defesa brasileira na nova era Dunga. O alagoano Roberto Firmino, que entrou na etapa final, decidiu o jogo aos 37, anotando o primeiro gol com a camisa verde-amarela e mantendo os 100% de aproveitamento do Brasil pós-Copa.

;Estou muito feliz de ter entrado bem e ter ajudado os meus companheiros. Claro que é um sonho estar aqui com este grupo maravilhoso, ainda mais com um gol. Estou bastante feliz e pelas duas vitórias (sobre a Turquia e a Áustria). Foi um belo chute;, comemorou o jogador do alemão Hoffenheim.

Por mais que seja promissora, a sequência vitoriosa não ameniza a humilhação da goleada por
7 x 1 sofrida diante da Alemanha na Copa, que marcará para sempre 2014 como um dos piores da história da Seleção Brasileira. Thiago Silva, que no domingo reclamou publicamente da forma com a qual perdeu a braçadeira de capitão para Neymar, entrou em campo mais cedo do que esperava, aos 27 minutos de jogo, no lugar de Miranda. O zagueiro do Atlético de Madri se lesionou ao tentar afastar uma bola e deu lugar ao Monstro, que retormou a dupla titular da Copa do Mundo. Usando a camisa 14 (a 3, que usava antes, ficou com Miranda), o ex-capitão não parecia perturbado e teve uma atuação segura.

Thiago Silva chegou a usar a braçadeira por três minutos, quando Neymar foi substituído por Marquinhos nos acréscimos. O abraço entre os dois capitães selou definitivamente a paz, depois de dois dias conturbados. A iniciativa de tirar o camisa 10 pode ter sido justamente de Dunga para mostrar ao zagueiro que não guardava mágoas do episódio. Porém, ele e Neymar negaram.

No primeiro tempo, a leve chuva que caiu sobre o estádio Ernst Happel de Viena esfriou os ânimos de ambas as equipes, que começaram a partida em ritmo lento. O Brasil não conseguia envolver o adversário nos primeiros minutos de jogo, como vinha fazendo nos últimos amistosos. A Áustria chegou a balançar as redes aos seis minutos, mas o gol foi anulado porque Okotie desviou a bola com a mão.


Gols
No segundo tempo, Dunga tentou deixar o time mais solto ao colocar Douglas Costa e Roberto Firmino nas vagas de Willian e Luiz Adriano, respectivamente. A ideia era dar mais mobilidade à equipe, jogando sem um centroavante fixo, mas o gol saiu em uma cobrança de escanteio. Oscar cruzou e David Luiz puxou a camisa do austríaco e fez 1 x 0. O mesmo Oscar cometeu pênalti infantil em Weimann. Dragovic empatou. Aos 37, Firmino salvou a pátria. Ele recebeu a bola e chutou no ângulo de Ozcan.


É um sonho estar aqui com este grupo maravilhoso, ainda mais com um gol. Estou feliz e pelas duas vitórias (sobre a Turquia e a Áustria). Foi um belo chute;
Roberto Firmino, meia-atacante


A segunda era Dunga
5/9 ; Brasil 1 x 0 Colômbia
9/9 ; Brasil 1 x 0 Equador
11/10 ; Brasil 2 x 0 Argentina
14/10 ; Brasil 4 x 0 Japão
12/11 ; Turquia 0 x 4 Brasil
18/11 ; Áustria 1 x 2 Brasil
Resumo: 6 jogos, 6 vitórias,
14 gols pró, 1 contra
Artilheiro: Neymar, 7 gols

Próximos amistosos
Em março, a confirmar
França x Brasil
Nigéria x Brasil

Áustria 1
Almer (;zcan); Klein, Dragovic, Hinteregger e Fuchs; Ilsanker, Kavlak, Harnik (Proedl), Junuzovic (Weimann) e Arnautovic (Ulmer); Okotie (Sabitzer)
Técnico: Marcel Koller

Brasil 2
Diego Alves; Danilo, Miranda (Thiago Silva), David Luiz e Filipe Luís; Luiz Gustavo, Fernandinho (Casemiro), Oscar (Fred) e Willian (Douglas Costa); Neymar (Marquinhos) e Luiz Adriano (Roberto Firmino)
Técnico: Dunga

Gols: David Luiz, aos 18, Dragovic, aos 28, e Roberto Firmino, aos 38 minutos do segundo tempo
n Cartões amarelos: Okotie Público: 48.500 pagantes
Renda: não divulgada Árbitro: William Collum

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação