Lugar ao sol

Lugar ao sol

Injeção eletrônica, rodas de liga leve e freio dianteiro a disco são as armas dessa moto urbana. O câmbio tem seis marchas e o motor, 12cv. O design, no entanto, ainda é retrô

» Téo Mascarenhas
postado em 04/12/2014 00:00
 (foto: Fotos: Teo Mascarenhas/EM/D.A Press)
(foto: Fotos: Teo Mascarenhas/EM/D.A Press)

Para disputar o concorrido segmento de motos de baixa cilindrada, base do mercado nacional, o modelo tem que ter armas convincentes. A Suzuki GSR 150i encara o desafio com um pacote mecânico bem completo, mas o visual parece ter ficado congelado no tempo e lembra os modelos de um passado recente, com estilo retrô, de muitos cromados e linhas mais arredondadas. Para fazer o contraponto e modernizar o modelo adotando ares mais joviais, as rodas são de liga leve, com aros de 18 polegadas de diâmetro (em vez de raiadas), com pneus sem câmara, que também confere maior segurança para encarar o dia a adia.

Outra modernidade, invisível, é a adoção da injeção eletrônica de combustível, que aposenta o ultrapassado carburador. O motor com um cilindro, do tipo quatro tempos, tem 149,5cm; de cilindrada, equipado com refrigeração a ar e desenvolve 12,2cv a 8.000rpm e torque de 1,08kgfm a 6.000rpm. Números que se traduzem na prática em um desempenho que possibilita rodar sem muito esforço no trânsito. Além disso, é surpreendentemente redondo, amenizando o stress dos deslocamentos urbanos, graças ao sistema de eixo balanceador que neutraliza as vibrações internas.

Comodidades
Por outro lado, o câmbio com seis velocidades, mais raro em modelos de baixa cilindrada, permite um aproveitamento mais preciso do motor, mas também faz o piloto trabalhar bem mais, cambiando com mais frequência, o que pode cansar no fim da jornada, para quem usa o modelo para trabalhar. Porém, as comodidades urbanas também estão presentes na partida elétrica e no painel recheado com indicador de marcha engatada, mostrador do nível do combustível, velocímetro, luzes de advertência e conta-giros analógico.


Entretanto, também segue o padrão retrô, com instrumentos arredondados, assim como o farol. Outro confronto entre passado e presente está nos freios. Na roda dianteira, o mais moderno e eficiente freio a disco ventilado. Já na roda traseira está presente o sistema de tambor, menos eficiente. Entretanto, em conjunto, os dois funcionam de maneira segura. Aliás, no quesito segurança, a Suzuki GSR 150i conta com dispositivo na embreagem, que, por meio de sensor, não permite a partida do motor com a moto engrenada. Contraditoriamente, porém, permite a partida da moto com o descanso lateral acionado.

Suspensão
Para enfrentar o desafio diário do trânsito, com ruas e avenidas cheias de imperfeições, a suspensão traseira conta com um robusto sistema. Não é o mais moderno, do tipo mono, com um só amortecedor central. Entretanto, conta com dois amortecedores laterais dotados de reservatório de expansão de gás. Além disso, os amortecedores podem ser facilmente regulados na pré-carga da mola, até mesmo com as mãos, sem ajuda de ferramentas, para melhor adequação ao peso que a moto leva e ao tipo de piso que vai enfrentar. A suspensão dianteira é do tipo convencional, telescópica não invertida.

O pacote urbano segue com itens de conforto e segurança, como pedaleiras do garupa fixadas no quadro em peça conhecida como bacalhau para eliminar oscilações, cavalete central, trava de capacete, lampejador de farol e garupeira de série para pequenas cargas e tampa do tanque com capacidade para 14 litros, do tipo esportiva, que permite boa autonomia. Inclusive nas estradas, onde a sexta marcha ajuda a manter velocidades compatíveis. A altura do banco, apenas 730mm do chão ajuda no constante embarque e desembarque das cidades. O preço sugerido da Suzuki GSR 150i é de R$ 7.150.



Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação