Para o mestre Dominguinhos

Para o mestre Dominguinhos

Irlam Rocha Lima
postado em 10/06/2015 00:00
 (foto: Jose Marcos/Divulgação

)
(foto: Jose Marcos/Divulgação )


A relação do Quinteto Violado com Dominguinhos é antiga. Em 1974, quando o grupo vocal-instrumental pernambucano fez sua primeira turnê nacional, com o show A Feira, tinha o acordeonista como convidado especial. ;À época, lançamos uma cantora ainda totalmente desconhecida, que viria se tornar uma das maiores estrelas da música brasileira, Elba Ramalho;, lembra o vocalista e violonista paraibano Marcelo Melo, único remanescente da formação original.

O show passou por Brasília e foi apresentado no ginásio de esportes do Colégio Marista (609 Sul). Hoje, o Quinteto retorna à cidade e ocupa o palco do Teatro da Caixa com o espetáculo em que homenageia Dominguinhos. ;Com esse show, já passamos por capitais do Nordeste, do Rio de Janeiro, Curitiba e de São Paulo e agora chegamos à Brasília, onde já estivemos em várias oportunidades, sempre recebendo acolhida carinhosa;, destaca Marcelo.

Esse tributo teve origem no CD Quinteto canta Dominguinhos, gravado no ano passado e que está sendo lançado durante a turnê por 11 capitais. O álbum traz 14 faixas, em que foram registradas composições como Abri a porta, Só quero um xodó, Sete meninas, Tenho sede e um medley de forrós. No projeto, há a participação de Lenine, Marina Elali, Liv Moraes (filha do acordeonista), Luci Alves (cantora que tomou parte do The Voice Brasil e de Cezzinha, discípulo do acordeonista.

;Temos total identificação com a obra do Dominguinhos, de quem estivemos próximos desde que o conhecemos, quando ele acompanhava Seu Luiz Gonzaga. Já cantamos suas músicas em disco e shows e tivemos a companhia dele numa longa turnê, logo no começo de nossa trajetória. Ele nasceu em Garanhuns, cidade natal do saudoso contrabaixista e Toinho Alves, um dos fundadores do Quinteto, que nos deixou em 2008. Nada mais justo do que homenageá-los com esse projeto;, diz o vocalista.

Para Marcelo, a maior dificuldade na definição do repertório do disco e, consequentemente, do show, foi a extensão da obra de Dominguinhos e a qualidade de suas músicas. ;Acredito que estamos contribuindo para perpetuar o legado do mestre, com as releituras que fizemos das músicas, com a harmonização e a forma de tocar do Quinteto, imprimindo nossa característica;, reforça.

Dividido em duas partes, o show tem um bloco com canções que se tornaram marcantes na carreira do grupo, entre as quais Algodão, Cavalo Marinho, Palavra acesa, Vaquejada, além dos arranjos para o clássicos gonzagueaos Asa Branca e Assum Preto. ;Não pode faltar o canto das cirandas, marca registrada dos nossos shows, quando convidamos o público para fazer uma grande roda e dançar;.

No show, Marcelo e seus companheiros de grupo, Dudu Alves (teclados e voz), Ciano Alves (flautas e violão), Sandro Lins (baixo) e Roberto Medeiros (bateria, percussão e voz), têm como convidados o acordeonista Cezzinha e o percussionista Raminho. Ao fim do show, os músicos vão receber os espectadores no saguão do teatro, onde autografam o disco.

Essência nordestina
; Formado em 1970, o Quinteto Violado contava inicialmente com Toinho Alves (voz e contrabaixo acústico), Marcelo Melo (voz, viola e violão), Fernando Filizola (violão), Luciano Pimentel (percussão), Sandro (flauta). A estreia foi na Faculdade de Filosofia da Universidade Federal de Pernambuco. Com 45 anos de carreira e vasta discografia ; algo em torno de 50 títulos ; o grupo tornou-se conhecido e reconhecido nacional e internacionalmente. A proposta fundamentada nos elementos musicais da cultura regional não o impediu de receber influência da música do mundo, mas sem nunca perder sua essência nordestina. O Quinteto acumula incontáveis prêmios e um deles é a comenda da Ordem do Mérito Cultural, atribuída pelo Ministério da Cultura.

Quinteto canta Dominguinhos
Show do Quinteto Violado e convidados hoje, às 20h, na Caixa Cultural (Setor Bancário Sul). Ingressos: R$ 20 e R$ 10 (meia entrada). Não recomendado para menores de 12 anos.


Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação