>> Sr. Redator

>> Sr. Redator

postado em 27/02/2017 00:00
Justiça

Eis alguns versos contemporâneos: ;Merece agradecimento / a decisão do ministro Fachin de manter encarcerados / José Dirceu e o senhor Gim / Cunha também ganhou um não /dado pelo mesmo magistrado / ele queria deixar Pinhais / onde está trancafiado / Era o seu desejo / ir para a capital / com certeza seria mais confortável / a carceragem da Polícia Federal / Obrigado senhor ministro / Sua atitude agradou ao povo / Enquanto essa gente comia trufas brancas / nós comíamos arroz com ovo / Tomara que um dia / eles saiam ressocializados / vivendo com honestidade / e entendendo o que é ser honrado;.
; Jeovah Ferreira,
Taquari


Bancada mineira

A reação da bancada mineira da Câmara Federal contra Temer, pelo simples fato de ele não ter indicado um conterrâneo para a pasta da Justiça, mostra mais uma vez a fragilidade do nosso sistema político. A reação é ainda mais sintomática ao ter ostensivamente vinculado o apoio à reforma da Previdência ao desiderato dos deputados a favor de um ministro mineiro, qualquer que ele fosse, e a despeito do conteúdo da reforma pretendida pelo governo. Como governar um país com esse nível de dilema existencial? Isso torna evidente, na verdade, que a reforma política é a mais urgente das reformas de que o país necessita, pois dela depende tudo de bom que se possa querer para a nação brasileira.
; Robério C. Coutinho,
Lago Sul


FHC

O maior nome para ocupar o Ministério das Relações Exteriores seria, sem dúvida alguma, o de Fernando Henrique Cardoso. Com a honorabilidade que o mundo lhe confere, respeitadíssimo, seria capaz de inserir o Brasil em posições que dificilmente qualquer outro, por mais capaz que fosse, conseguiria. Para o governo Temer, seria um gol de placa. Fernando Henrique aceitaria essa missão? Isso são outros quinhentos...
; Milton Córdova Júnior,
Vicente Pires


Racionamento

A Adasa mandou racionar a água no Plano Piloto, Paranoá, lagos Norte e Sul e Varjão, servidos pela barragem de Santa Maria, que fica no Torto. As nascentes que mantêm esse reservatório são perenes, ou seja, não secam. Alguma coisa está fora de rumo ou então há algum interesse escuso. Será que a água está sendo canalizada para algum sumidouro que possa render vantagens, até políticas, a alguém? No Nordeste, muitas secas foram fabricadas. Dava lucro. Quando a seca era uma realidade, os políticos calejados faziam festas. Não queriam rezas. Certa feita, tendo um belê (criança) de 2 meses morrido por desnutrição, a mãe colocou uma moeda de cinco réis embaixo de sua língua enterrando-o com ela. Pediu chuva a São Pedro. Após o sepultamento, o tempo fechou e o aguaceiro foi um verdadeiro dilúvio. Até sapo morreu afogado. Deputado chorou de tristeza. A chuva só parou três dias depois, quando foi feita a exumação e retirada a moeda do pequeno cadáver. Com Pedro não se brinca.
; José Lineu de Freitas,
Asa Sul


Dad

Meu aplauso à crônica ;Dad Squarisi; (24/2, pág. 20), focalizando a jornalista e professora, inteiramente merecedora, inclusive, pela humildade em admitir erros, coisa que certos jornalistas, embora admitindo terem recebido o alerta sobre eventuais falhas no uso da língua portuguesa, não o fazem, preferindo o silêncio como resposta. Namastê.
; João Maria Madeira Basto,
Brasília


Papa Francisco

Toda a vez que o papa Francisco fala com o povo dizendo algo em termos bem claros, cristalinos, ferindo conceitos tradicionalistas, tentando trazer a Igreja para o caminho da modernidade, sai alguém da cúpula do Vaticano para tentar explicar seu pensamento por vias tortas: ;Não é bem isso que o papa queria dizer;. Se o papa diz que a salvação é para todos, inclusive para os ateus de reta consciência, os pretensos intérpretes emendam: ;Contanto que se sujeitem aos dogmas do cristianismo;. O passaporte tem que ser expedido pelo Vaticano. Falta um Paulo apóstolo para dizer que entre o papa e os fiéis não há a necessidade de intermediários. Quando isso acontece em governos temporais, o ministro que discorda de seu chefe é, imediatamente, convidado a arrumar as gavetas e se mandar. No caso em epígrafe, parece que o papa Francisco é mais democrático, deixando que cada um fale o que pensa.
; Elizio Nilo Caliman,
Lago Norte

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação