360 graus

360 graus

postado em 30/06/2017 00:00
 (foto: Arquivo Pessoal)
(foto: Arquivo Pessoal)



O médico e os pincéis

Carioca da gema, Gustavo de Arantes Pereira nasceu na capital do Brasil, à época a maravilhosa cidade do Rio de Janeiro, onde formou-se na Faculdade de Medicina da UFRJ, especializando-se em gastroenterologia. ;Desde pequeno, acompanhava meu pai, que também era médico e começou a se dedicar às artes plásticas. Aprendi a admirar a arte e, aos poucos, aquelas exposições e o conhecimento dos artistas me inspiraram;, comenta Gustavo, que também se tornou pintor.

;Desde que comecei a pintar, decidi fazer aulas para me orientar e me situar melhor. Foi com a professora Gemai e com Marcos Costerus que recebi as primeiras aulas. Hoje, tenho recebido orientação dos pintores Ney Tecidio e Siron Franco, que me orientam e me incentivam muito;, conta.

A música veio primeiro


Dono de uma voz de seresteiro, louco por música e por seu violão, Gustavo Arantes tornou-se figura indispensável em reuniões de amigos para aquela cervejinha gelada ou em apresentações pelos palcos da cidade, inclusive o Teatro Nacional Claudio Santoro, que reuniu profissionais liberais, de todas as áreas, para shows beneficentes. E lá estava ele, com seu inseparável violão.

Gustavo faz parte de um grupo de profissionais liberais que, caso não abraçassem a medicina, a engenharia, a advocacia e outras tantas profissões, poderiam formar uma bela orquestra, acompanhada de poetas e declamadores e intérpretes do cancioneiro popular. É a Brasília artística e versátil.

A aposentadoria

Cumpridas todas as metas dentro da medicina, na luta ferrenha pelos cuidados com a saúde pública, durante tantos anos, chegou a hora de curtir a doce sensação do dever cumprido e o merecido descanso. Aí veio o momento de, além da música e do violão, tomar nas mãos, também, os pincéis, as tintas e telas e a contemplação prazerosa das cores.

;No início, tive a preocupação de definir um estilo, porém notei que a inspiração do processo criativo supera os estilos pré-definidos;, afirma. Admirador de Kandinsky e Van Gogh, o artista se inspira a partir das ideias que a contemplação das obras de ambos vem enriquecer seu trabalho. O resultado ;é um estilo livre no qual busco misturar cores vibrantes colocadas em paisagens às vezes monocromáticas, contrastando com suas nuances delicadas; compara.

;O meu primeiro trabalho aconteceu ainda em 1964, quando consegui conciliar e equilibrar entre a minha profissão de médico, de cantor e músico e a arte. Um desafio que me fez muito bem. Consegui até participar de uma exposição na Galeria de Arte da Associação Médica de Brasília. Hoje, posso me dedicar diariamente à pintura. Sou admirador de Van Gogh e, como ainda pode parecer um hobby, eu gostaria de manter como um hobby, porém, nada impedindo que se torne uma profissionalização;, filosofa.

;Tenho um estilo livre em que busco misturar cores vibrantes colocadas em paisagens às
vezes monocromáticas, contrastando com suas nuances delicadas;
Gustavo de Arantes Pereira

1975
Ano que Gustavo Arantes chegou a Brasília

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação