Acusação de terrorismo

Acusação de terrorismo

postado em 13/12/2017 00:00
 (foto: The New York Post/Reprodução)
(foto: The New York Post/Reprodução)


Akayed Ullah, o imigrante de Bangladesh de 27 anos que tentou explodir uma bomba atada ao corpo, em Nova York, foi formalmente acusado pela Justiça norte-americana de terrorismo. O procurador-federal de Manhattan se prepara para indiciá-lo rapidamente por cinco acusações, que incluem apoio ao Estado Islâmico (EI), uso de armas de destruição em massa e colocação de bomba em local público. A explosão parcial do artefato de fabricação caseira, dentro de um túnel que une a Times Square ao terminal rodoviário de Port Authority. Três pessoas ficaram levemente feridas na explosão, enquanto Ullah sofreu lesões e queimaduras nas mãos e no abdome.

Pouco antes da detonação, o suspeito postou uma mensagem no Facebook dirigida ao presidente dos Estados Unidos: ;Trump, você não conseguiu proteger o seu país;. Além de outra declaração dirigida aos partidários do grupo jihadista ;para mostrar que tinha cometido o ataque em nome do EI;. A radicalização de Ullah, que chegou aos EUA em 2011, remonta a 2014, quando começou a assistir na internet a propaganda difundida pelo EI, segundo a Justiça. Os investigadores apontam que o homem começou a reunir, ;duas ou três semanas atrás;, o material necessário para a fabricação da bomba ; fios elétricos, uma bateria de 9 volts, parafusos de metal ; que ele montou em seu apartamento.

Uma autoridade antiterrorismo de Bangladesh confirmou à agência France-Presse que o ;nome do suspeito não está em nossa longa lista de pessoas radicalizadas ou membros de grupos terroristas;. Ontem, policiais de Dacca interrogaram familiares do suspeito, a começar por sua mulher, de 25 anos, e seu pai, embora nenhum deles seja suspeito. Depois de chegar a Nova York com um visto de reagrupamento familiar, Ullah começou a trabalhar, como muitos imigrantes, como taxista e depois como eletricista, de acordo com a imprensa americana.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação