Recorde de calor de 2015 a 2017

Recorde de calor de 2015 a 2017

postado em 19/01/2018 00:00
 (foto: Loic Venance/AFP - 7/9/17)
(foto: Loic Venance/AFP - 7/9/17)


Os três últimos anos foram os mais quentes registrados no planeta, dando continuidade a um ritmo de aquecimento global ;excepcional;, advertiu a Organização das Nações Unidas (ONU). Sob a influência do El Niño ; que a cada período entre três e sete anos afeta as temperaturas, as correntes marinhas e as precipitações ;, 2016 foi o ano de maior temperatura, com 1,2;C a mais que os registros na época pré-industrial. A média na superfície do globo em 2017 e 2015 ficou quase igual: 1,1;C a mais, sendo que 2017 alcançou o recorde de ano mais quente sem a incidência do El Niño.

;Já foi confirmado que os anos 2015, 2016 e 2017, que se inscrevem claramente na tendência do aquecimento a longo prazo provocado pelo aumento das concentrações atmosféricas de gases de efeito estufa, são os três anos mais quentes registrados até agora;, advertiu, em comunicado, a Organização Meteorológica Mundial (OMM), agência especializada da ONU. ;Apesar das temperaturas mais frias que a média em algumas partes do mundo, o termômetro continuou subindo rapidamente no conjunto do planeta a um ritmo sem precedentes nos últimos 40 anos;, complementou o diretor do Goddard Institute for Space Studies da Nasa, Gavin Schmidt.

Na formação do ranking, foram utilizados dados do período de 1880-1900 como referência para as condições existentes na era pré-industrial. Segundo o secretário-geral da OMM, o finlandês Petteri Taalas, 17 dos 18 anos mais quentes pertencem ao século 21, sendo que o ritmo de aquecimento constatado de 2015 a 2017 é considerado ;excepcional;. ;Este último ano esteve particularmente marcado no Ártico, o que terá repercussões duradouras e de grande amplitude sobre o nível do mar e os regimes meteorológicos nas outras regiões do mundo;, acrescentou.

O calor recorde de 2017 esteve acompanhado de vários desastres naturais, lembrou Taalas. ;Foi o ano mais caro para os Estados Unidos em termos de catástrofes meteorológicas e climáticas, enquanto em outros países os ciclones tropicais, a seca e as inundações provocaram desaceleração e até mesmo regressão econômica.; Bob Ward, do Grantham Research Institute on Climate Change, de Londres, chamou a atenção paraa importância do envolvimento de líderes mundiais no enfrentamento do problema histórico. ;A temperatura recorde deveria atrair a atenção dos dirigentes mundiais, incluindo o presidente americano, (Donald) Trump, sobre a amplitude e a urgência dos riscos que as mudanças climáticas fazem a população sofrer, tanto ricos quanto pobres.;

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação